Alte

Alte
Loulé



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"alte","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Alte é uma freguesia portuguesa do concelho de Loulé, com 94,69 km² de área e 2 176 habitantes (2001). Densidade: 23,0 hab/km².

Entrincheirada em plena Serra do Caldeirão, a 30 km de Loulé, e bem próxima de Salir, a aldeia de Alte é considerada por muitos como a aldeia mais típica do Algarve. O território da freguesia situa-se no centro geográfico do Algarve e divide-se entre o Barrocal e a Serra, duas das zonas naturais daquela província. Esta região de Portugal Continental contém, grosso modo, três zonas naturais, que se estendem de leste a oeste, paralelas à linha meridional da costa e caracterizadas por uma altitude média crescente de sul para norte à qual se associam determinados habitats naturais e humanos. São elas o Litoral propriamente dito, o Barrocal e a Serra (esta última confinando, a norte, com o Alentejo).

Afastada do turístico litoral, é considerada uma das aldeias mais típicas e preservadas do Algarve (e mesmo de todo o Portugal), com as suas casas pintadas nas cores correntes da região, em que o branco se destaca como fundo, as açoteias, as tradicionais chaminés e as ruelas pavimentadas em calçada portuguesa.

A Ribeira de Alte percorre a localidade com a sua água fresca que se faz ouvir por toda a povoação, conferindo um ar fresco e puro à Aldeia de Alte. De facto, a água é ponto importante nesta Aldeia, onde ainda hoje nos deparamos com as Fontes Pequena e Grande, nascentes que durante séculos foram local de encontro das mulheres da aldeia que aí se deslocavam para encherem os cântaros de água e lavarem a roupa. Hoje é um local aprazível convidando a um bom piquenique e a umas horas de descanso em plena Serra algarvia, a 40km da solicitada Costa Algarvia.

Economia

Outrora uma aldeia de produção exclusivamente agrícola, reparte hoje a sua economia com a força da indústria turística, mantendo o seu traço típico, mas já bem fornecida de serviços e comércio. Restauração, lojas de artesanato, onde os melhores produtos típicos da região aqui se comercializam, marcando a importância do fabrico manual com a produção regional, como é o caso da aguardente de medronho, hoje proibida, do mel, da olaria ou do queijo. No Polo Museológico do Esparto demonstram-se, por exemplo, os utensílios utilizados pelas mulheres e homens para transformar a planta em cordas.

Personalidades

Em 1871, nasceu aqui o poeta Cândido Guerreiro, cujo retrato se encontra perpetuado nos painéis de azulejos do aprazível jardim da Fonte Pequena, juntamente com alguns dos seus poemas, o mais célebre dos quais se inicia pela seguinte quadra:

Porque nasci ao pé de quatro montes
Por onde as águas passam a cantar
As canções dos moinhos e das fontes,
Ensinaram-me as águas a falar.

Assenta a minha aldeia sobre os flancos
De uma linda montanha onde o olival
Faz destacar os seus casais tão brancos
Que nem as pombas de qualquer pombal.

Património

  • Ermida de São Luís de Alte
  • Igreja Matriz de Alte ou Igreja de Nossa Senhora da Assunção
  • Fonte Grande e Fonte Pequena

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Alte","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.