Alvaiázere

Alvaiázere
Sub-região Pinhal Interior Norte



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"alvaiazere","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}

Foto de Vítor Oliveira

Lista de Municípios Portugueses

anuncio100x60.png


Alvaiázere é uma vila portuguesa pertencente ao Distrito de Leiria, região Centro e sub-região Pinhal Interior Norte, com cerca de 1.800 habitantes.

É sede de um município com 161,00 km² de área e 7.941 habitantes (2006), subdividido em 7 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Ansião, a nordeste e leste por Figueiró dos Vinhos, a sueste por Ferreira do Zêzere, a sudoeste por Ourém e a oeste por Pombal.

Freguesias

Topónimo

Alvaiázere, vila e concelho, deve o seu nome aos árabes. Com efeito, quando esses povos invadiram a Península Ibérica, no ano de 711, logo se apoderaram de grande parte do actual território nacional. Foi o caso de Alvaiázere, a quem baptizaram de Al-Bai-Zir ou Alva-Varze, de acordo com as diferentes opiniões expressas. O termo Al-Baiaz significa "o falcoeiro" sendo que para alguns esta seriam então "as terras do falcoeiro".

História

Apesar da voracidade dos séculos, o concelho não perdeu algumas das características que desde sempre teve. Da serra de Alvaiázere, por exemplo, obtêm-se panoramas excelentes. Uma serra altiva e repousante. Um maciço calcário coberto de urzes e pequenas orquídeas floridas. Para nascente, avista-se a planura fértil de Alvaiázere, salpicada de vinhedos, olivais, campos de milho e de alegre casario branco e ocre. Para poente, vê-se o vale do rio Nabão, antecedido de frondosos pinhais. Pelas encostas houve-se o andar lento dos rebanhos e das cabras. Em Alvaiázere, a natureza é intensamente verde. Vales e várzeas abraçam dois tranquilos cursos de água, o Nabão e a ribeira de Alge. Bem tinha razão D. Sancho I quando decidiu repovoar, em 1200 uma terra que vivia então um verdadeiro declínio, dando-lhe foral.

Foi elevada a vila por D. João I, que lhe deu foral em 1338. O seu termo, nesta altura era tão dilatado que abrangia dois priorados, três viga irarias e um corado: os priorados de São João da Boa Vista e São Pedro de Rego da Murta, as vigairarias de Pussos, Maçãs de Caminho e Pousaflores e Covado de Almoster. Em 1435, segundo documentos existentes na Torre do Tombo, D. Duarte doou a vila a sua mulher, a Rainha D. Leonor, passando assim Alvaiázere ao domínio da coroa. D. Manuel deu-lhe foral novo, em 15 de Maio de 1514.

Naquele ano de 1514, não apenas a vila de Alvaiázere recebeu foral novo. Das actuais freguesias do concelho, também Maçãs de D. Maria e Pussos (doravante Vila Nova de Pussos) obtiveram os privilégios decorrentes desse documento. Maçãs de D. Maria, aliás, formou concelho nesse ano, ao mesmo tempo que Avelar, Aguda, Chão de Couce e Pousaflores. Eram as "cinco vilas" e ainda Arega.

Os sinais do passado estão ainda bem evidentes em todo o concelho de Alvaiázere. Aqui, sucedem-se os solares e as quintas senhoriais. Uns setecentistas, outros, mais antigos, exibem bonitas torres de menagem. Na sede do concelho existe um solar que foi de Duarte Pacheco Pereira, cuja tradição refere a passagem de Duarte Pacheco, assassino de D. Inês de Castro, antes de fugir para Espanha. Ainda hoje se conserva sobre a porta principal do edifício o brasão de armas dos Pachecos.

Freguesias como Maçãs de Dona Maria e Pelmá testemunham a sua antiguidade nos pelourinhos e encantam os panoramas que se contemplam nos adros das suas igrejas matriz. O espírito religioso deste povo está expresso nas lendas que circulam de pai para filho, oralmente, desde há muitos séculos.

Economia

A base económica desta região é a agricultura, como sempre o foi. Os solos férteis, os vales e as várzeas bem irrigados e as encostas cobertas de vinhas e oliveiras, foram importantes auxiliares da sua população.

Gastronomia

Alvaiázere é a Natureza pujante. E a emoção de percorrê-la diariamente, em efémeros pedaços de felicidade extrema: correr, descansar, caçar. Actualmente denominada como capital do chícharo (leguminosa, pequena, que tem o mesmo tratamento que o feijão, mas que cresce em terrenos áridos), Alvaiázere é o sítio ideal para se poder saborear esta leguminosa confeccionada das mais variadas formas.

Para além do chícharo, à mesa reina o saboroso queijo da região, os enchidos, a carne de alguidar, o cabrito e o leitão assado no forno, acompanha-se com o excelente vinho da também da região e adoça-se o a paladar com o tradicional bolo de noiva.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Alvai\u00e1zere","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.