Amareleja

Amareleja
Moura



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"amareleja","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Amareleja é uma freguesia portuguesa do concelho de Moura, com 108,34 km² de área e 2.763 habitantes (2001). Densidade: 25,5 hab/km².

Situada na margem direita do rio Ardila, no extremo Norte do concelho de Moura e seu limite com o concelho de Mourão e confrontando, a Este, com terras espanholas, a freguesia de Amareleja dista da sua sede de concelho cerca de 29 km. Está próxima do Alqueva, do Rio Ardila e do Castelo de Noudar.

É famosa pelos constantes recordes de temperatura máxima e é conhecida por ser a localidade mais quente e com mais horas de céu aberto de Portugal.

[[=image IMG_5331.JPG width="300 px" alt="Rua onde se situa a casa onde nasceu Eunice Muñoz
Foto da autoria de Artur Anjos" link="http://terrasdeportugal.wikidot.com/amareleja"]]
Rua onde se situa a casa onde nasceu Eunice Muñoz
Foto da autoria de Artur Anjos

Durante muitos anos, até ao século XX, por causa da sua área, foi considerada a maior aldeia de Portugal. O bom vinho, o bom queijo branco de ovelha e o bom porco preto local fazem a boa mesa da Amareleja. Foi aqui instalada a maior central fotovoltaica do mundo.

«Aldeia alentejana, grande aldeia
Que aspira a ser vila, ser rainha…
Tão branca, tão clara e caiadinha
Oásis nesta terra de epopeia
Onde não falta a horta, o trigo e a vinha
E gente afoita ao sol que não receia…»1

Toponímia

Até ao momento, ainda não se consegue apurar com exactidão a origem deste nome, um tanto estranho para quem o ouve pela primeira vez. Em 10 de Abril de 1677, o então padre da freguesia escreveu no termo de abertura de um livro de registo de visitas: "Freguesia de nossa Senhora de Concepsao de Marileiga …". Data de 1 de Abril de 1695, um documento que se refere ao "lugar de Nossa Senhora da Conceição de Mareleja".

Outra opinião diz que o nome surgiu devido à abundância de flores amarelas nos campos circundantes, pelo que os primeiros povoadores (possivelmente pastores da Beira Baixa) lhe chamavam "Campo das Amarelas". Ainda hoje existem duas propriedades entre a povoação e a fronteira de Espanha, cujos nomes são Amarelas e Amarela.

Outra versão diz respeito a uma brincadeira de crianças que, divertindo-se a partir ovos contra a porta da igreja, gritavam: “Já amareleja! Já amareleja!”. O termo “Marel” (lugar escolhido para a selecção e apuramento de raças) poderá também ter contribuído para a derivação do nome de Amareleja, na medida em que os rebanhos, em época de reprodução, poderiam juntar-se e os seus pastores designarem esse local como “Mareleia” (acto de procriar, reproduzir).

Caracterização

No que se refere à concentração populacional, a freguesia de Amareleja é a localidade rural do concelho com maior número de habitantes, tendo vindo esse número a decrescer ao longo dos anos, aspecto que acontece com todo o concelho. Em 1981, a freguesia apresentava 3.281 habitantes e, em 1991, eram 3.237 pessoas. Nos censos de 2001, o número de residentes era de 2.763. Não podemos deixar de referir que o número mais elevado de habitantes na freguesia de Amareleja foi em 1940, com cerca de 9.000 pessoas. A grande expansão de casas começa a notar-se em 1830 e prolonga-se até 1860 por diversas ruas, aspecto intimamente relacionado com as elevadas produções agrícolas. Em 1935, é inaugurado o Campo de Aviação Cifka Duarte, destacando a Amareleja ao nível da aeronáutica e das transacções comerciais. A base económica da freguesia é fortemente tributária do sector primário, nele se destacando a agricultura, a olivicultura, vitivinicultura e a pecuária, em torno das quais se organiza grande parte das produções industriais e do comércio da freguesia, com destaque para a produção de azeite, vinho, passas de uva e queijo de cabra; a construção civil e a carpintaria são também actividades muito importantes para o desenvolvimento local. No artesanato da freguesia de Amareleja, destacam-se a sapataria manual, ferraria, latoaria, ferro forjado, miniaturas em barro e madeira, cadeiras de buinho, cestaria de verga, rendas e bordados.

Amareleja foi elevada à categoria de Vila em 16 de Agosto de 1991 (Lei 95/91).

História

Amareleja foi desde muito cedo habitada por gerações, que ultrapassando as idades mais próximas, se vão radicar no homem pré-histórico. Na obra "Amareleja, rumo à sua história", Padre João Rodrigues Lobato refere que diversos vestígios de diferentes épocas – machados de sílex, vestígios da fundição de metais, sepulturas, desenhos lavrados, etc. – levam-nos a concluir que os vestígios mais abundantes são da época Romana, manifestados desde o Carapetal, a Norte da Vila e por todo o prolongamento do Vale de Navarro, Donas, Boa Vista, Vale Tamujo e Garrochais, com tendência a aproximar-se do Ardila. Não aparecem, no entanto, nestes locais quaisquer inscrições, factor condicionado pelas actividades pastoris e não guerreiras ou fidalgas dos seus moradores.
O repovoamento local data entre os séculos XIII e XIV, aspecto comprovado pelo significado etimológico de muitos casais e herdades que compunham a freguesia. Crê-se que as necessidades religiosas teriam levado, nos finais do século XV, à construção da Igreja de Santo António (padroeiro dos gados em muitas regiões do país), originando a sua fixação e forma de núcleo populacional.

Património

Igreja Matriz da Amareleja

A Igreja Matriz da Amareleja, cuja padroeira é Nossa Senhora da Conceição, ergue-se nesta notória terra alentejana, muito provavelmente desde o século XVI, altura em que foi fundada. Trata-se de uma igreja cujo estilo arquitectónico deixa transparecer uma beleza singela, e uma simplicidade que é inerente a todas as características deste local de devoção das gentes da Amareleja. Possui uma só nave, com um altar mor com a figura da padroeira, imagem notável oferecida pela Srª Margarida Vasques em 1920 (mandada fazer na Itália), e duas pequenas capelas colaterais.

Ao longo dos séculos foi alvo de variadas reparações, como foi o caso da reedificação do campanário da igreja em 1757, destruído durante o terramoto de 1755, ou a construção da abóbada em 1821, uma vez que o tecto até então era de madeira. Trata-se de uma igreja cuja estrutura reflecte a pureza da arquitectura alentejana, e, sem dúvida, um local a visitar.

Equipamentos

A freguesia de Amareleja possui actualmente como equipamentos a sede da Junta de Freguesia, Posto de Saúde, Centro Social de Amareleja, Escola Básica Integrada de Amareleja, Posto da GNR, Estação dos Correios, Balcão da Caixa Agrícola e sedes de instituições associativas (Casa do Povo de Amareleja, Grupo Coral da Casa do Povo de Amareleja, Grupo Desportivo Amarelejense, Sociedade Filarmónica União Musical Amarelejense, Sociedade Recreativa Amarelejense e Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica Integrada de Amareleja). Como locais de interesse turístico existe o Aeródromo e reservas de caça turística e associativa.

Festas e Tradições

Personalidades

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.


Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Amareleja","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.