Arroios

Arroios
Vila Real



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"arroios","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Arroios é uma freguesia portuguesa do concelho de Vila Real, de perfil semi-urbano, com 2,89 km² de área e 955 habitantes (2001). Das 30 freguesias do concelho, é a 28ª em área, a vigésima em população residente e a sexta em densidade populacional (330,4 hab/km²).

Arroios uma das freguesias periurbanas de Vila Real, coexistindo zonas rurais esparsas com zonas indistintamente integradas no contínuo urbano da cidade (Bairro de Vilalva, que confronta com a freguesia urbana de São Pedro). Situada a 5,2km da sede do concelho, num terreno em declive, um pouco argiloso e com pequenos afloramentos de granito, confronta com as freguesias de Constantim, Mouços, Mateus, São Pedro e Folhadela. Dela se avistam Vila Real, Mateus, Adoufe, Borbela, Lordelo, Vila Marim, Mondrões, e Torgueda. Tem por isso, uma situação geográfica privilegiada. O orago é São João Baptista cuja festa é celebrada no Domingo mais próximo de 24 de Junho. O terreno da freguesia é fértil, pelo que havia muitas quintas, prados, olivais, soutos e pomares.

Localidades

Além de Arroios, a freguesia inclui no seu território os seguintes lugares:

  • Alto
  • Couto (não confundir com a aldeia homónima da freguesia de Adoufe)
  • Ribaboa
  • Torneiros
  • Vilalva

Toponímia

O topónimo da freguesia derivará do termo "arroio", sinónimo de regato, ou de "arroyos", planta medicinal de que trata o livro "Luz e Medicina".

História

Arroios recebeu foral de D. Afonso III (2 de Abril de 1258), juntamente com Vale de Nogueiras. Mais tarde esteve ligada à fundação de Vila Real, tendo D. Dinis ordenado a compra ou permuta de terrenos aí situados (Vilalva), que foram agregados ao termo da vila fundada em 1289. Incluía então no seu território lugares actualmente pertencente à freguesia de São Pedro: Bairro d’Além da Ponte de Santa Margarida, ou da Guia (passou para São Pedro em 1872), Araucária (passou para São Pedro em 1960).

A história de Arroios está intimamente ligada a Mateus, sendo freguesias meeiras, isto é, partilhando entre si alguns lugares: os fiéis iam à missa uma semana a São João de Arroios e na seguinte a São Martinho de Mateus.

Tal como todas as demais terras pertencentes aos Marqueses de Vila Real, Arroios passou em 1641 para a posse da Coroa, quando o Marquês e o seu herdeiro foram executados sob acusação de conjura contra D. João IV. Em 1654, passou a integrar o património da recém-criada Sereníssima Casa do Infantado, situação que se manteve até à extinção desta, aquando das reformas do Liberalismo.

Património

Igreja Matriz

A igreja de S. João Baptista de Arroios foi padroado do convento de Santo Eloy, da cidade do Porto, com título de vigararia. O Pároco era da apresentação do Convento dos Cónegos Regulares de S. João Evangelista, da cidade do Porto. O altar-mor, maneirista, está desprovido da excessiva decoração dos altares colaterais. Pintado de branco, sobressaem as duas altas colunas que delimitam o camarim, de larga e alta tribuna que resguarda o trono. Nos intercolúnios estão as imagens de São João Baptista, São José, Santa Inês e São Sebastião. Os altares de Nossa Senhora do Rosário e do Senhor Jesus ambos com profusa talha dourada mostram as colunas decoradas com efígies de anjos. O do lado direito, dedicado a Jesus crucificado, simboliza o Calvário. A imagem de Jesus antecede uma pintura, representando Nossa Senhora e São João Evangelista. Aos pés da cruz, está a imagem “de roca”, séc. XVIII, de N.ª Senhora das Dores. Do lado direito do templo encontra-se, ainda, o altar em honra do Sagrado Coração de Jesus. O orago é S. João Baptista, “em cujo dia vinha aqui a Câmara de Vila Real, com a sua bandeira, assistir à missa que a Câmara mandava dizer”. De facto, existia a tradição de uma vez por ano, a edilidade da Câmara Municipal de Vila Real, ir assistir a uma missa que ali se realizava. Terminada a cerimónia religiosa, os vereadores reuniam-se algures e realizavam uma festa de confraternização. Esta Igreja era também um lugar (ainda o é) onde se realizavam muitos casamentos de pessoas residentes em Vila Real, que decerto a escolhiam pelo nimbo espiritual que dela desprendia. Ao lado da Igreja Matriz encontra-se uma casa senhorial, arruinada.

Capela Staª Sofia
Mais a montante da Igreja Paroquial, encontramos a Capela Staª Sofia na qual se celebra a missa de dia 1 de Novembro em homenagem à mártir Stª Eufémia. Capela de características simples, do seu espaço envolvente pode-se avistar o Palácio de Mateus, grande parte de Vila Real e as Serras do Marrão e Alvão.

Capela de Arroios

É uma Capela de linhas elegantes e sóbrias. Foi pertença, por listamento de 2 de Julho de 1797 a D. Josefa Joaquina de Menezes e Silva. Após a sua morte foi vendida ao Dr. António Rebello de Matos e Rocha. Neste período a casa de Mateus intentou demanda para entrar na posse do Morgado de Arroios (instituído em 1691 pelo Dr. Cristóvão Álvares Coelho e seu irmão Reved. Padre António Álvares Coelho). Mais tarde a capela foi herdada pela Condessa de Margarida e seu irmão D. João Rebello Cardoso de Menezes, arcebispo de Lorissa e Bispo Auxiliar de Lamego. Pelos seus descendentes foi doada à Junta de Freguesia de Arroios em 9 de Março de 1998, e é considerada Monumento Nacional pelo IPPAR desde 27 de Novembro de 1993. É uma capela de estilo Barroco (século XVIII, da escola de Nicolau Nasoni).

Recentemente foi criada a Associação Liga dos Amigos da Capela de Arroios, com personalidade jurídica e que tem precisamente como objectivos o estudo, a valorização e a divulgação do património da Capela de Arroios.

Estalagem Quinta do Paço

A Estalagem Quinta do Paço está situada num dos cumes de maior beleza da Freguesia de Arroios. Esta unidade funciona numa casa senhorial do séc. XVIII totalmente recuperada, preservada e transformada. A sua localização permite que, sem necessidade de grandes deslocações se possa desfrutar de alguns dos lugares mais agradáveis da região. Por exemplo, o Parque Natural do Alvão, as Fisgas de Ermelo, o Palácio de Mateus, o Santuário de Panóias, entre outros. Na Capela da Estalagem é frequente a realização de casamentos e baptizados.

Quinta do Sobreiro

Conhecida pela Quinta do Sobreiro, no lugar de Torneiros, é composta por um conjunto arquitectónico formado por uma casa de habitação, uma capela que servia de retiro espiritual aos Senhores da Quinta, um pelourinho e umas alminhas em azulejo pintado invocando Nossa Senhora do Carmo. De referir ainda uma outra alminha, o mesmo acontecendo em Arroios, perto da Igreja Matriz.

Via Medieval e Ponte de Torneiros

Salienta-se ainda a ponte e a calçada Romanas, no lugar de Torneiros, que poderia, em tempos, ter sido um elo de ligação ao Santuário Rupestre de Panóias.

Capela de Torneiros

Passando através de pinhais, vinhas, olivais e hortas, com as serras do Marão e do Alvão à vista chega-se ao lugar dos Torneiros, onde se encontra a capela de Nosso Senhor dos Aflitos. Foi construída recentemente em terreno doado pelo Tenente Coronel Lobato Sousa e é de estrutura arquitectónica muito simples.

Nichos

A freguesia possui dois nichos de Nossa Senhora de Fátima, um em Arroios e outro no Couto

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Arroios","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.