Arronches

Arronches
Sub-região Alto Alentejo



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"arronches","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}

Foto de Vítor Oliveira

Lista de Municípios Portugueses

anuncio100x60.png


Arronches é uma vila portuguesa no Distrito de Portalegre, região Alentejo e sub-região Alto Alentejo, com cerca de 2.100 habitantes.

É sede de um município com 314,52 km² de área e 3.251 habitantes (2006), subdividido em 3 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Portalegre, a nordeste pela Espanha, a leste por Campo Maior, a sul por Elvas e a oeste por Monforte.

Situada no Alto Alentejo, no Distrito de Portalegre e sede de concelho, Arronches é chamada em gíria popular “Terra dos Porcos”, porque segundo a lenda consta que as pessoas de manhã abriam as suas pocilgas para que os seus porcos fossem para o campo e quando era tarde estes regressavam a casa dos seus donos para lhes abrir as pocilgas para dormirem e comerem.

Freguesias

Concelho raiano, a sede dista 25 quilómetros da capital do distrito, a cidade de Portalegre. As freguesias de Esperança e de Mosteiros distam, respectivamente, 9 e 6 quilómetros da sede do concelho. Destas duas, a primeira estende-se até junto da fronteira com Espanha e é parte integrante da área protegida pelo Parque Natural de São Mamede. A segunda tem também uma parte da sua área incluída no mesmo parque.

As freguesias de Arronches são as seguintes:

História

Dizem que deve ter sido uma antiga povoação romana edificada junto à ribeira de Caia, fundada no tempo de Caio Caligula, no ano I da era de Cristã. D. Afonso Henriques conquistou-a aos Mouros em 1166, perdida de novo, e recuperada por D. Sancho II, em 1235. No entanto, só em 1242, com a reconquista de D. Paio Peres Correia, ficou definitivamente integrada nos domínios portugueses. Na altura do Interregno, foi a vez dos castelhanos tomarem Arronches, que viria a ser reconquistada por D. Nuno Álvares Pereira, em 1384.

Em 1661, a vila sofreu a invasão de D. João de Áustria, para ser abandonada pelos espanhóis à aproximação do exército português. Em 1712, cercada de novo pelos castelhanos, conseguiu vencê-los, rendendo-se estes à primeira investida das nossas forças.

Arronches teve forais dados em 1255 por D. Afonso III, confirmado pelo mesmo monarca, em 1272, em 1512 por D. Manuel I, e em 1678 por D. Pedro II, sendo este último diploma um "foral novíssimo", concessão de que poucas povoações usufruíram. Esta importância de Arronches já tinha ficado demonstrada em 1475, quando D. Afonso V aqui reuniu cortes para tratar do seu casamento com a princesa espanhola D. Joana. E antes ainda, quando D. Afonso IV e D. João I concederam notórios previlégios á vila.

Arronches foi uma importante praça de armas, com um castelo restaurado por D. Dinis em 1310. A fortaleza tida em grande conta pelos nossos monarcas, pelo que Luís de Camões, em várias estâncias de "Os Lusíadas", se refere, justamente, à "forte Arronches".

Economia

Concelho essencialmente vocacionado para a agricultura, tem como principais recursos agrícolas o azeite, os cereais e os produtos hortícolas. Quanto à exploração pecuária, esta incide no gado bovino, caprino, ovino, suíno, cavalar e muar, com produção de lã e lacticínios. Da sua floresta aproveita-se a cortiça e as madeiras. Do seu subsolo extrai-se uma excelente qualidade de mármore rosa e de bom barro para a indústria cerâmica. As potencialidades mineiras (cobre, chumbo, estanho e titânio) são frequentemente lembradas.

Património

"Vila que cinco pontes rodeiam", como refere José Saramago. A mais antiga destas pontes data do século XV. Compõe-se de seis arcos de volta redonda construídos em grossa alvenaria com silhares e aparelhos de granito em blocos talhados. A visita às pontes pode ser um bom ponto de partida para o conhecimento do importante património edificado deste concelho. À cabeça, talvez as igrejas de Nossa Senhora da Assunção (matriz) e de Nossa Senhora da Luz. Bem secundadas pelo edifício dos Paços do Concelho, pelas fontes de Elvas e do Vassalo, e pelo que resta do castelo e das antigas muralhas.

Isto na vila, pois em Mosteiros há a igreja de Nossa Senhora da Graça, que se destaca pela sua dignidade arquitectónica, e pitorescos recantos de uma magnífica arquitectura popular, enquadrados numa moldura serrana de belos efeitos paisagísticos. Em Esperança, a igreja matriz sobressai da homogeneidade do casario. É um templo do século XVI, reconstruído no século XVIII. Possui um retábulo renascentista em madeira policromada.

É nesta freguesia de Esperança que se encontram alguns dos mais notáveis conjuntos de pinturas rupestres existentes em Portugal. Há abrigos de pinturas na serra dos Louções e na serra da Cabaça, na encosta sul, a leste de Esperança e a cerca de 400 metros da estrada que liga esta aldeia a Monte Novo e Nave Fria. Pelos meados dos anos 80, a freguesia de Esperança era apelidada de verdadeira capital do rupestre português. As suas grutas encerram um património arqueológico de valor inestimável, reconhecido pelos especialistas e traduzido em pinturas na generalidade monocromáticas, de tons vermelhos, traço esquemático, com cerca de 3.000 anos, e reproduzindo silhuetas antropomórficas e zoomórficas, desenhos de mãos e outros sinais.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, we couldn't find any images attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Arronches","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.