Boassas

Boassas
Oliveira do Douro

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"boassas","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"oliveira-do-douro-cinfaes","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Boassas é uma aldeia típica que faz parte da freguesia de Oliveira do Douro, concelho de Cinfães, Distrito de Viseu.

A aldeia é uma verdadeira uma varanda sobre o Douro, sendo considerada uma das aldeias mais portuguesa. Situa-se na margem direita do rio Bestança e altaneira, vê o desaguar destas águas no rio Douro que se estende a seus pés.

A aldeia de Boassas (antigamente Avoaças) é um lugar de interesse turístico, cultural e histórico, «que foi vila e cabeça de couto, ao qual D. Afonso III deu foral, ( … ), em Santarém, a 15 de Março de 1253.»1. «Do outro lado do afluente, ( … ), situa-se, na íngreme encosta, outro rústico povoado, ainda mais antigo e não menos singular. É a vila velha de Boassas, reconhecida como cabeça de concelho, nos meados do século XIII. Foi o Bolonhês quem, em 1253, lhe concedeu a baptismal carta de foral».2

No centro do povoado encontra-se a Capela da Nossa Senhora da Estrela, toda caiada de branco, edificada em 1710 e restaurada em 1929. Possui uma imagem de Nossa Senhora de Fátima, capela-mor, arco triunfal e nave, dois altares encostados ao arco, um de São Francisco de Assis e outro de São Sebastião. À sua frente vê-se o largo com um coreto, mirante privilegiado sobre o Douro e o Cruzeiro da Independência erigido em 1940; ao fundo, um fontanário refresca quem por lá passa e ladeia umas alminhas.

Deste largo partem caminhos para o “Campo D’Além“, para a “Calçada“, para o “Poço“, para a “Arribada” em relação à qual Sant’Anna Dionísio escreveu:

"À despedida, descemos aos poucos, numa demorada escadaria, tosca e tortuosa, que relaciona o alto do decaído burgo com o bairro do fundo. Assim, ficamos a conhecer o esquipático presépio de casinhotas e moradias sobrepostas familiarmente designadas entre a gente pelo nome de Arribada."

O casario antigo é feito de pedra e cal, e, em alguns casos, já raros, revestido a lousa e guarnecidos por beirais de madeira. As janelas de guilhotina teimam em dar lugar às incaracterísticas janelas de alumínio e as varandas de madeira começam a rarear. As ruelas estreitas e as escadarias de granito desgastado revelam uma existência secular. Estas casas, em cascata, agrupam-se em casais, originados por necessidades de segurança que levaram as gentes a agruparem as suas casas, duas ou três, à volta de um pátio, coberto antigamente de “muínha”ou mato, onde se despejavam os dejectos e que era substituída de tempos a tempos. Estes casais eram fechados por portas “fronhas”, “franhas” ou “furenhas”, no dizer do povo, com o “gramitcho”, “feitcho” de ferro que tanto abria por dentro como por fora, e que à noite era “fetchado”, por dentro com a tranca. Assim se defendiam de forma cooperativa e fraterna.

A aldeia é servida por uma estrada estreita, que serpenteia por entre o casario e que durante muitos anos terminou no largo da capela. Este facto, criou nos locais, um forte espírito de grupo e de pertença, mesmo um certo bairrismo pois, era com orgulho que diziam: “Olha que eu sou de Boassas!”. Hoje, existe pela encosta sul abaixo, uma outra estrada, que dá continuidade à primeira ligando Boassas a Pias e “à Bestança”. Esta curiosa designação é referida por Daciano:

"É curioso notar que, por vezes, se ouve dizer: ( … ); a Bestança, em vez de o Bestança, ( … ), ouve-se até, por vezes, dizer: rio Abastança, porque da Bestança saíam as "lobadas d’auga" que regavam os "fantjões" na época do V’rão".

Em Boassas, as pessoas praticam uma agricultura de subsistência, dedicam-se ao comércio, de fruta, de sardinha (actividade que tornou famosas as “sardinheiras de Boassas”), e de outros produtos que comerciam nas feiras locais. A produção artesanal, variada outrora, tem vindo a diminuir, restando apenas a produção dos doces regionais, como os bolinhos de manteiga e a produção de regadores, funis, candeias, candeeiros, …, pelo “fulineiro”, como dizem localmente. Actualmente, bastantes homens trabalham na construção civil, sendo frequente estarem fora da localidade durante a semana, ou mesmo por períodos mais longos, se assim o contrato o exigir, só regressando a casa no fim-de-semana ou nas férias.

A vegetação ao longo da encosta é abundante, rica em oliveiras, laranjeiras, cerejeiras, vinhas, eucaliptos e pinheiros que enriquecem a paisagem, já de si pitoresca desta aldeia medieval e que determinaram as actividades agrícola e comercial a que se dedicaram os seus habitantes. O clima é ameno apesar da proximidade da Serra de Montemuro, pois a sua localização ao longo da encosta, bem como a proximidade do rio Douro protegem-na da agressões do clima serrano.

Os locais de interesse turístico são a "Casa do Cubo", com um exterior expressivo de austeridade e firmeza no seu traçado, a "Casa Armoriada Setecentista", que pertenceu à família dos Serpas e a "Quinta do Revogado", outra casa de nobres pergaminhos.

Festas e romarias

Festa da Nossa Senhora da Estrela

Esta festa é realizada no quarto Domingo de Agosto. A imagem de Nossa Senhora era levada em carros de bois pelo caminho velho até à ermida e daí trazida nos barcos engalanados até Porto Antigo, onde um sermão abençoaria a faina piscatória e comercial, terminando a procissão onde se iniciara. Hoje, para grande tristeza da população, a procissão já não desce pelo rio abaixo, limita-se ao percurso a pé até Porto Antigo e regressa à capela.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Boassas","order":"dateAddedDesc"}}

Fotografias da região

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Oliveira do Douro, boassas oliveira-do-douro, -Boassas","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.