Brasfemes

Brasfemes
Coimbra



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"brasfemes","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Brasfemes é uma freguesia portuguesa do concelho de Coimbra, com 10,31 km² de área e 1.847 habitantes (2001). Densidade: 179,1 hab/km².

Brasfemes está situada na parte norte da área peri-urbana da cidade de Coimbra, e é detentora de belas e contrastantes paisagens. Possui confrontações com as seguintes freguesias:

Tem como fronteira natural, do lado noroeste, a Serra de Ilhastro (em mapas topográficos recentes, surge com o topónimo de Alhastro), que tem interesse de foro geológico. Apesar de já estarem em adiantado estado de declínio, recordam-se os tradicionais moinhos de vento que transformavam a farinha em pão, bem como as suas pedreiras para a prática da cantaria (estão já desactivadas mas servem de referência para o estudo da vida social e económica da povoação.

Já escrevia em 1873 Augusto Soares d’Azevedo de Pinho Leal:

“A Serra de Ilhastro tem muito boa pedra de cantaria, muito branca e lustros. No alto tem 1500 metros de comprido e uns 800 metros de largo onde se cultivam oliveiras. Situada em posição alta e fragosa, mas fértil, Brasfemes esta situada por matas florestais, eucaliptos e pinheiro bravo, manta esta que se desenvolve em planalto que muralha a freguesia.”1

Topónimo

Convivendo paredes-meias com topónimos nativos, celtas, latinos e germânicos, a toponímia de origem árabe é muito frequente na região de Coimbra. Dos séculos IX a XII predominou aqui uma forma de integração política, linguística, cultural e religiosa a que chamamos moçarabismo.

De entre os vários topónimos de origem árabe, Brasfemes terá partido da villa abrahemi, ou seja, a propriedade, quinta ou herdade de um tal "Abraão". A evolução linguística do topónimo não é francamente regular, desde logo pela interposição do "s" e pela terminação tamém em "s". Talvez tenha ocorrido uma "contaminação" por outros topónimos ou por analogias com outras palavras.2

Segundo José Pedro Machado o topónimo Brasfemes deve tratar-se de um genitivo do antropónimo Brafeme, embora não se encontre explicação para o aparecimento do "s".3 O mesmo autor aponta a utilidade de averiguar a antiguidade da forma Brasfemes, pois é possível que tenha havido uma influência analógica, talvez até do antropónimo Brás, mas parece que esta segunda teoria é mais lendária do que científica. Como hipótese remota, o topónimo pode ainda derivar do vocábulo blasfemos, que designa os que dizem blasfémias. Aos brasfemenses custa aceitar esta última indicação do autor, até porque existem outros dados históricos mais credíveis.

O topónimo aparece referido ainda em estudos e documentos ao longo dos tempos sob várias formas: J. M. Baptista refere Brasfemias; P. Carvalho Brafemeas, Bralfemias e Barafemeas; P. Marques regista Brazfémeas; P. Leal refere Brafemeas e Brafemes; por último, Leite de Vasconcelos regista Brasfemes.

No século XVI, de acordo com o censo de 1527, o "s" final ainda não figurava.

Lenda

O nome que dá origem a Brasfemes está envolto num misto de lenda e misticismo. Aquela que mais consenso parece gerar nos seus habitantes remonta ao século XII. Conta-se que numa grande quinta agrícola existia um tal Senhor Brás, casado e com várias filhas, todas elas muito bonitas (ontem, como hoje!). Porque havia amiudadas vezes bailaricos, diziam os rapazes namoradeiros: "Vamos dançar com as filhas do Brás das fêmeas". Assim, sucessivamente, o nome da terra teria vindo a ser alterado até aos nossos dias, em que é conhecida por Brasfemes.

História

Recuando até à invasão árabe, que se iniciou em 711, encontramos um registo árabe sobre a zona onde se encontra actualmente Brasfemes. Assim as terras de Brasfemes tiveram como primeiro nome Creixemires ou Creixomil, nome do árabe que conquistou toda a área de Coimbra até Lorvão.

Em 878 os cristãos, que se tinham refugiado nas Astúrias, levam a cabo a reconquista, conhecendo vitórias e também reveses. No ano de 984 os muçulmanos reconquistam toda esta área, ficando despovoada, mas em 1064 Fernando, o Magno, reconquista Coimbra e fez-se o consequente repovoamento, tão necessário para defesa dos territórios. É dado a Alvito Abrafemes a tarefa do repovoamento desta zona.

Nos séculos X e XI, os responsáveis pelo Mosteiro de Lorvão chegaram a um bom entendimento com os proprietários destes domínios, angariando prestígio, e as terras foram-lhes doadas, pois nelas existe boa pedra para a construção do edifício. A pedra provinha da Serra de Ilhastro ou Alhastro, designada nos documentos desta época como monte Oleaster, notabilizado pelas suas excelentes cantarias e pelos seus produtivos olivais. Pensa–se que a igreja paroquial tenha sido mandada construir pelos frades do Mosteiro de Lorvão, para que os trabalhadores das pedreiras não tivessem que se deslocar para muito longe afim de assistir à missa dominical. Confirma–se a ligação aos domínios de Lorvão, até porque a igreja tem como orago São João Baptista e, todas as igrejas pertencentes ao Mosteiro eram dedicadas ao apóstolo São Tiago (como a de Botão) ou a São João Baptista, este último na sua quase totalidade.

Na igreja matriz de São João Baptista, era a abadessa Lourbanense, quem apresentava o vigário e cuidava da manutenção da capela–mor e das casas da residência paroquial. Era também às freiras de Lorvão, a quem os moradores da freguesia pagavam as duas partes dos dízimos, as rações e foros. Várias parcelas de terreno foram concedidas em doação aos eclesiásticos por particulares. A este propósito, Brasfemes, nos alvores do século XII, figura em vários documentos. Numa doação, datada de 23 de Abril de 1102, Brasfemes figura com o nome de Abraheme. Sendo o primeiro outorgante Maria Durães e o segundo outorgante a Sé de Coimbra, doava–se a oitava parte de uma herdade que possuía Maria Durães, em Brasfemes, assim como uma vinha em Vila Mendiga (c. Coimbra), reservando–se o direito de dispor delas em caso de necessidade. Há ainda outras referências documentais do século XII, tais como em 1159, em que Gonçalo Fernandes concede ao sacerdote Soeiro o seu casal de Brasfemes. Em 1163 Diogo Bom e sua mulher, Justa Martins, doam ao abade de Lorvão uma herdade.

Sabe-se ainda que Brafemes, Brasfemes ou Brafemeas antigamente tinha juiz ordinário, escrivão e procurador, postos pela comarca de Coimbra que lhe passa suas cartas de serventias para governarem o “logar de Bostellim, Lagares e Sincera”. Aparece em Documentos Medievais Portugueses, publicados pela Academia Portuguesa de História e nas Chancelarias Medievais Portuguesas, em 1139, como Brafemes.

Colectividades

Bibliografia

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Brasfemes","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.