Castelo Novo

Castelo Novo
Fundão



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"castelo-novo","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Castelo Novo é uma freguesia portuguesa do concelho do Fundão, com 40,91 km² de área e 439 habitantes (2001). Densidade: 10,7 hab/km². Está incluída no Programa das Aldeias Históricas.

Localização

Castelo Novo situa-se na meia encosta leste da serra da Gardunha, a cerca de 700 metros de altitude. A sede do concelho é a cidade do Fundão, da qual dista de aproximadamente 15 km e a capital distrital é Castelo Branco a cerca de 35 km. Acede-se à aldeia, por via rodoviária, através da Estrada Nacional 18 e do IP2 as quais a liga um ramal pavimentado com cerca de 3 km. Também é servida por um apeadeiro de caminho de ferro (linha da Beira Baixa). A Sul, Castelo Novo faz fronteira com a Soalheira, a Norte com Alpedrinha e Alcongosta, a poente com o Souto da Casa, e a Nascente com a Póvoa da Atalaia e Atalaia do Campo, ocupando uma área de 41 quilómetros quadrados.

História

Os vestígios arqueológicos conhecidos sugerem uma ocupação humana do território provavelmente desde o calcolítico, projectando-se num crescimento de testemunhos que se referem ás idades do Bronze e do Ferro e se consolidam na colonização romana.

A existência da povoação aparece comprovada documentalmente desde os primeiros tempos da Nacionalidade. Porém, a questão dos forais não parece assente entre os historiadores: vários autores defendem que o foral tenha sido passado em 1202 à então designada Alpreada por D. Pedro Guterres e D. Ausenda, alegadamente seu donatário e primeiro alcaide do castelo (e, provavelmente, o seu construtor), e mais tarde herdada por testamento pelos Cavaleiros Templários. Porém, outras referências contrapõem com o facto de Castelo Novo pertencer à Coroa inicialmente, tendo o primeiro foral sido dado aos Templários, sendo D. Pedro e D. Ausenda os primeiros povoadores.

Toponímia

O topónimo Castelo Novo, em substituição do anterior, é citado pela primeira vez em 1208, no testamento de Guterres, pelo qual ele doa a "terra a que chamam Castelo Novo" aos Templários. Para a terra se passar a chamar dessa forma é porque, crê-se, terá havido um Castelo Velho (ali ou no sítio do mesmo nome, no topo culminante da serra da Gardunha), e entre 1205 e 1208 se terá edificado um novo. A ser assim caem por terra todas as afirmações que atribuem a D. Dinis a construção do castelo. O que não parece improvável é que este monarca tenha ali mandado fazer qualquer intervenção. Porém, o segundo foral foi-lhe por ele concedido.

No reinado de D. Manuel I, o castelo já não estaria propriamente novo, o que o levou a assumir a sua recuperação, encarregando do assunto um escudeiro da Casa Real, que se fez acompanhar de um pedreiro mestre de obras natural de Castela. Entre os dois estalou uma acesa polémica. De várias acaloradas discussões sobre os planos de remodelação, os dois partiram para a violência, resultando no refúgio do castelhano igreja de Castelo Novo para que o escudeiro veador das obras não pusesse a ferros. Beneficiando da protecção divina, o castelhano escreveu ao rei e rogou-lhe clemência, que lhe foi concedida, assim como a autorização para conduzir as obras. E a coisa endireitou-se.

Foi nessa altura que D. Manuel I, em 1 de Junho de 1510, concedeu a Castelo Novo o seu terceiro foral, assinado em Santarém e que se insere no Livro de Forais Novos da Beira (fls. 29 e col. 1ª), que consta na Torre do Tombo.

Concelho de Castelo Novo

O concelho de Castelo Novo era constituído pelas freguesias de Lardosa, Castelo Novo, Orca, Póvoa de Atalaia, Soalheira e Zebras. Tinha, em 1801, 2.994 habitantes. Em 1835, o concelho foi extinto e anexado ao de Alpedrinha, passando com este e seu termo, a fazer parte integrante do concelho do Fundão, a partir de 24 de Outubro de 1855. Dos seus tempos de concelho, conserva-se o seu símbolo principal: o pelourinho.

Património

Religioso

  • Igreja Matriz: Ou de Nossa Senhora da Graça, embora remonte ao período medieval, foi totalmente remodelada no século XVIII e possui no seu interior elementos do estilo barroco.
  • Igreja da Misericórdia: construção do século XVIII. Este templo apresenta uma arquitectura simples vernacular.
  • Capela de Santo António: de construção medieval.

Militar

Edificado

  • Pelourinho
  • Chafariz da Bica
  • Lagareta em Castelo Novo: um património humanizado relevante sobre o ponto de vista da organização social e comunitária da aldeia, lagariça de provável construção entre os séculos VII e VIII.
  • Aldeia de Castelo Novo: centro histórico.
  • Pelourinho de Castelo Novo: No Largo do Município encontra-se o edifício quinhentista dos antigos Paços do Concelho em frente a este situa-se o Pelourinho de construção Manuelino.
  • Chafariz da Bica: monumento barroco, com a pedra de armas de D. João V, que possui escadaria de acesso e um logradouro rodeado de bancos de pedra granítica.
  • Janela manuelina: pode ser vista no edifício da Associação Sócio-Cultural de Castelo Novo, na rua da Gardunha.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Castelo Novo","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.