Cova da Piedade

Cova da Piedade
Almada



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"cova-da-piedade","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Cova da Piedade é uma freguesia portuguesa do concelho de Almada, com 1,28 km² de área e 21.154 habitantes (2001). Densidade: 16 526,6 hab/km², uma das maiores densidades populacionais do país. Faz parte integrante da cidade de Almada. Faz fronteira a norte com a freguesia de Almada, também a norte e a oeste com o Pragal; a sul com o Laranjeiro e o Feijó, a este com o Rio Tejo, e a nordeste com Cacilhas.

Localidades

A freguesia foi criada em 7 de Fevereiro de 1928. Até 1985 a freguesia compreendia as freguesias do Laranjeiro e do Feijó. Hoje é composta pelas seguintes localidades:

  • Ramalha
  • Barrocas
  • Caranguejais
  • Romeira
  • Pombal
  • Bairro

História

A freguesia da Cova da Piedade é uma das freguesias urbanas da Cidade de Almada. Encontramos referências ao lugar desde a Idade Média, onde a desaparecida igreja de São Simão era local de culto e veneração. Nesta região de quintas e beira-rio, a população dividia-se entre a agricultura, pequenas unidades piscatórias, algumas actividades artesanais como tanoeiros, sapateiros, carpinteiros navais, oleiros e outros. Era ainda terra de almocreves que ajudavam na descarga e transporte de mercadorias e produtos hortícolas de e para Cacilhas, beneficiando da proximidade da grande cidade de Lisboa.

A reconstrução da Igreja em honra de Nossa Senhora da Piedade, em 1762, terá dinamizado o crescimento do aglomerado urbano, então denominado Cova, pela situação morfológica de vale, e da Piedade, pela devoção mariana que os habitantes escolheram. Este edifício ainda hoje notável pelos belíssimos painéis de azulejos pombalinos e pela escultura magnífica da “Pietá”, foi ampliado na década de 1960, mantendo, todavia, a sua traça arquitectónica e decorativa.

A partir de 1880, a chegada do comboio ao Barreiro facilita o transporte de matérias-primas, promovendo o processo de industrialização da zona ribeirinha, onde se instalaram fábricas de transformação de cortiça, estaleiros de construção naval, um forno de cal e mais tanoarias.

Por essa época encontramos no lugar da Romeira uma verdadeira “indústria” de lavagem de roupas. Lisboa foi sempre uma cidade sem água e se o aqueduto trouxe à capital meia dúzia de chafarizes não resolveu o problema da lavagem das roupas que se efectuava na ribeira de Caneças ou na Cova da Piedade. Tratava-se de uma actividade completamente organizada, com divisão de tarefas bem definidas. Havia homens que recolhiam, em Lisboa, na casa das freguesas certas, a roupa previamente marcada e atada em grossas trouxas de lençóis. E a transportavam até à Romeira onde as mulheres lavavam, enxaguavam e estendiam as peças que seriam de novo dobradas e levadas de volta até às suas proprietárias.

Mas a proximidade do Tejo traz outras possibilidades, como as da construção naval. A descoberta da utilização motriz do vapor e da electricidade alteraram significativamente a indústria naval e a concepção dos navios. Foi, então, profunda a transformação em virtude do aparecimento dos navios de aço e da propulsão a vapor, em detrimento dos navios de madeira e à vela. Em 1928 outorgou-se o contrato para a construção do Arsenal do Alfeite, ao abrigo do regime das reparações de guerra alemãs, tendo as obras de construção sido concluídas em Dezembro de 1937. No ano seguinte entrou em laboração total, passando a ser considerado um dos maiores e melhor apetrechados estabelecimentos do género. Até aos anos 30-40, a Cova da Piedade apresentou uma feição industrial plena,
se bem que a crise da indústria corticeira e a dureza do regime tenham acentuado as clivagens político-sociais. Em 1967, com a instalação dos estaleiros da Lisnave, na Margueira, aumentou muito a oferta de trabalho e a população da freguesia aumentou e prosperou, acentuando a importância da construção naval na freguesia.

A 7 de Fevereiro de 1928, a Cova da Piedade adquire autonomia administrativa com a elevação à categoria de freguesia.

Economia

A pressão demográfica intensificou-se a partir de 1966, com a construção da ponte sobre o Tejo, acentuando-se a predominância dos sectores secundário e terciário na economia.

Festas e Romarias

Devota de Nossa Senhora da Piedade, as festas e romarias da freguesia celebram-se em Setembro, em honra da santa padroeira, e a 24 de Junho, comemoram-se as Festas de São João da Ramalha.

Recentemente, o actual executivo da Freguesia decidiu comemorar de modo condigno, o aniversário da Freguesia, com diversas actividades culturais e desportivas.

Gastronomia

Devido à sua proximidade com o rio Tejo, a caldeirada à Moda da Costa e o choco frito, são alguns dos pratos que fazem parte da rica gastronomia da freguesia.

Património

No seu vasto património cultural, a freguesia da Cova da Piedade destaca, a Fonte Medieval do Pombal, a Capela da Quinta de São João da Ramalha, a Igreja de Nossa Senhora da Piedade, o Palácio de António José Gomes e a Fábrica de Moagem do Caramujo, pioneira na utilização do betão armado, em Portugal.

  • Nora de ferro, situada nos terrenos da Escola Básica 2.3 Comandante Conceição e Silva
  • Fábrica de Moagem do Caramujo (antiga)
  • Palacete António José Gomes (jardim e cocheira)

Colectividades

O número de colectividades da freguesia é de 23, envolvendo mais de 50 mil cidadãos nas suas actividades, existindo ainda três instituições de solidariedade social beneficiando aproximadamente cinco mil utentes.

Duas das preocupações dos eleitos da Cova da Piedade são as crianças e os idosos. A Freguesia tem quatro escolas do Ensino Básico de primeiro ciclo, frequentadas por 900 crianças, um jardim-de-infância de ensino Público e três IPSS, onde mais de 400 crianças frequentam o ensino Pré-escolar. A pensar em todas estas crianças a Junta de Freguesia realiza, pelo Natal, no Dia da Criança, nas festas de Nossa Senhora da Piedade e no Aniversário da Freguesia diversos espectáculos, animações desportivas e lúdico-culturais, com a oferta de livros, jogos, brinquedos, T-shirts, balões, etc, no intuito de colaborar com pais e professores em todo o processo educativo.

Existem ainda duas outras escolas: a Comandante Conceição e Silva (de 2º e 3º ciclos) e a Escola Secundária de Emídio Navarro.
Em relação aos idosos tem sido implementado todo um programa de actividades desportivas e sociais integrados no “Alma Sénior” (natação, hidro-ginástica, desporto), espectáculos musicais e saídas de interesse cultural. Apoiamos ainda instituições que prestam apoios de cuidados domiciliários e de centro de dia.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Cova da Piedade","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.