Dem

Dem
Caminha



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"dem","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Dem é uma freguesia portuguesa do concelho de Caminha, com 6,49 km² de área e 462 habitantes (2001) dos quais 405 são eleitores. Densidade: 71,2 hab/km².

Dem estende-se por uma área quase toda ela inserida na Serra de Arga. Aproximadamente 11 quilómetros separam Dem da Vila de Caminha, a sede do concelho. Esta freguesia é mais nova do município caminhense. A estabelecer os seus limites estão: a norte, a freguesia de Argela; a sul, as freguesias de Orbacém e de Montaria (esta pertencente ao concelho de Viana do Castelo); a nascente, a freguesia de Arga de São João; e a poente, as freguesias de Venade e de Gondar.

Localidades

Estes são os principais lugares da freguesia:

  • Pedras Frias
  • Carejos
  • Boucinha
  • Chã de Porto
  • Aldeia de Baixo
  • Aldeia de Cima

História

Apesar do seu estatuto de "nova freguesia" não se pode deixar de considerar que, como território albergou civilizações muito antigas que deixaram as suas marcas de ancestralidade, e a arqueologia o tem comprovado, e os seus topónimos Alto do Crasto e Castro do Germano assim o denunciam.

Até à década de 60, pertenceu à freguesia de Orbacém e à freguesia de Gondar, era respectivamente, Lugar de Dem (freguesia de Orbacém) e Lugar da Aldeia (freguesia de Gondar) das quais se desanexou por altura da sua elevação a freguesia, através do Decreto Lei nº 48 590 de 26 de Setembro de 1968.

Heráldica

Ordenação heráldica do brasão e bandeira publicada no Diário República, III série de 21/07/2000.

Armas

Escudo de prata, um monte de três cômoros de verde, carregado de uma fachada de espigueiro de prata, lavrado de negro, entre duas picaretas de prata, encabadas de ouro e postas em pala; em chefe, dois ramos de carvalho de vermelho, glandados de ouro, alinhados em faixa. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco com a legenda a negro em maiúsculas: "DEM - CAMINHA".

Bandeira

De vermelho, cordões e borlas de prata e vermelho. Haste e lança de ouro.

Património

Como patrimónios da freguesia, encontra-se a Igreja Paroquial a Capela de Santa Luzia, situada no lugar de Carejos, os nichos e alminhas situados junto à igreja e a já referida Capela da Senhora das Neves.

Igreja Paroquial

Construída em 1970, a igreja paroquial apresenta planta rectangular, com dois corpos nave e capela-mor ligados por um arco triunfal de meia volta, apoiado na parede. A sacristia fica do lado norte.

Capela da Senhora das Neves

A capela da Senhora da Serra, ou Senhora das Neves é um dos santuários mais característicos do concelho de Caminha. Situa-se no cume da Serra por cima das freguesias de Argela e Venade pelo lado poente e, pelo lado oposto, por cima da freguesia de Gondar. Oferece a todos um panorama deslumbrante, pondo à vista o estuário do rio Coura com o rio Minho, ali no seu encontro junto à vila de Caminha. É digno de se observar as aldeias portuguesas e galegas numa e na outra margem do Minho.

Outros

  • Capela de Santa Luzia
  • Cruzeiro paroquial

Arqueologia

insculturas na costa do Carvalho

O Padre Artur Coutinho, que quando paroquiava esta freguesia, descobriu num penedo, situado na costa do Carvalho, uns sinais característicos. Visitado o local estavam esses sinais, ainda bem conservados! Foram fotografados e os relatórios publicados no Notícias de Viana (Ano I, 4ª série nº 12).

O penedo de configuração redonda, medindo, na parte superior, no sentido nascente-poente 6,80 m de diâmetro e 5 m no sentido norte-sul. É de granito granulado, de cor esbranquiçada. A partir da base vai aumentando de volume, atingindo na parte mais bojuda um perímetro de 25 m. Há, pelo menos duas séries de insculturas. Um conjunto é fácil de identificar e quase todas elas se referem a manifestações antropomórficas; o outro conjunto, muito delido, embora se note bem, não é fácil individualizá-lo. Além dos antropomorfos, há outros sinais como podomorfos, suásticas, fossetes, etc.

A poucos metros deste penedo, na direcção do poente, foram descobertas em 1983, por um grupo de estudantes do Liceu de Viana, sob a orientação do P. Artur Coutinho, outro conjunto, sendo uma figura facilmente identificada como serpentiforme.

Castro do Germano

Fica situado no centro da freguesia, a uns 800 m a sudeste da igreja paroquial, numa pequena elevação, no lugar de Boucinha. Para nascente, levanta-se a costa do Carvalho, onde existem vestígios pré-históricos. A poente, estende-se uma paisagem rude, entremeada de campos de cultivo, casas e pinheirais. Ao fundo, na linha do horizonte, divisam-se, de maneira difusa, os montes galegos, fronteiriços a Caminha.

O castro do Germano está limitado a nascente, pelo regato do Cubanco, a sul e poente pela estrada municipal e a norte, pelo caminho de servidão. A altitude eleva-se a mais de 300 m. Não se notam vestígios de muralhas ou de fossos. Do lado nascente, como é terreno declinado, a altura do castro eleva-se à mesma altura do terreno adjacente. Seguindo na direcção sul-poente, o relevo vai-se acentuando, até atingir um talude bastante íngreme, do lado norte. É possível que as defesas do castro fossem formadas por taludes.

Foi recolhido bastante espólio, numa prospecção feita há anos: mós redondas, pedras de vários feitios, uma delas exibindo um simulacro de inscrição não identificada; restos cerâmicos, pedaços de tégula, etc.

Alto do Crasto

Está este montículo, na confluência da estrada que vai para Gondar e para a Montaria. Apesar da configuração do monte nos sugerir a existência dum castro, não se encontraram quaisquer vestígios ou indícios de construções ou de testemunhos cerâmicos. No entanto, aqui fica o topónimo para que algum investigador mais apurado possa estudar, se achar tarefa fácil e rentável, no campo científico, é claro.

Economia

Pequeno comércio, pequena indústria, agricultura e pecuária.

Festas e romarias

  • Senhora das Neves (5 de Agosto)
  • São Silvestre(4 de Agosto)
  • São Gonçalo (primeiro Domingo de Junho)

Lendas

Lenda da Senhora das Neves

Há muito tempo, vivia nas fraldas da Serra D'Arga, no local onde hoje está a capela da Senhora da Serra, um pobre monge, metido na toca de um sobreiro velho, fazendo penitência e rezando pelos pecados do mundo. Toda a sua atenção ia para Deus, prometendo grandes privações ao corpo, na comida e na bebida. Vivia o santo do frade sozinho, tendo como única companhia uma pequena imagem de Nossa Senhora, que carregara consigo do convento de onde viera. Todos os dias o frade confidenciava com a Virgem os seus pensamentos e as suas orações. Havia-a colocado num altar improvisado dentro da cavidade onde morava, para melhor a homenagear e louvar, confiando na sua intercessão para conseguir a purificação total para si, e a salvação para os homens.

Ora aconteceu que um dia, no maior pico do verão, no mês de Agosto, o frade sentiu uma sede terrível que lhe afogueava a garganta. Bem queria o pobre do frade aguentar a sede, dando assim testemunho da capacidade de sofrimento e de penitência com que queria presentear continuamente a Virgem e seu bendito filho. Mas era de tal forma quente o dia, que resolveu suspender a dura renitência, para ir ali perto, junto de um fonte bem fresca, apagar a secura que lhe afligia a garganta.

Quando regressou ao seu poiso, notou, com extrema surpresa, que a Virgem já lá não estava! Entristecido e aflito, pensou logo que a Virgem o tinha abandonado, por não ter resistido à sede. Ajoelhou-se com o rosto por terra, e suplicou à Senhora:

Ó Virgem, Santa Mãe de Deus! Perdoai a minha falta de sacrifício! Por amor do vosso Santo Filho, meu Salvador, não me abandones!

Nisto, ouviu um grande estrondo! Temeroso do poder de Deus, tapou o rosto com as mãos, até que o silêncio voltou. Levantou lentamente a cabeça e olhou então para o alto. O sobreiro estava desfeito e envolto em brancura! Era a imagem da Virgem rodeada de neve, fitando-o com extrema doçura! E se aquele era um dia esbraseado de Agosto, logo se transformou em dia fresco e acolhedor, que nem a mais suave Primavera. Vendo tão grande milagre, pegou o frade na imagem da Senhora, e aí lhe construiu um lindo nicho de pedra para a colocar. A partir daquele dia começou a chamar-lhe Nossa Senhora das Neves!

Gastronomia

  • Enchidos de porco
  • Cozido à portuguesa
  • Cabrito à moda da Serra de Arga

Artesanato

  • Tecelagem, linho e trajes “à lavradeira”

Colectividades

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Dem","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.