Fajão

Fajão
Pampilhosa da Serra



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"fajao","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Fajão é uma freguesia portuguesa do concelho de Pampilhosa da Serra, com 65,70 km² de área e 295 habitantes (2001). Densidade: 4,5 hab/km².

Fajão, uma das dez freguesias do concelho de Pampilhosa da Serra, está situada numa espécie de concha rodeada de montanhas, tendo à esquerda os rochedos de Penalva e o cabeço da Mata, para a direita a Serra da Rocha, à rectaguarda a Serra da Amarela e em frente o Picoto de Cebola.

A sua situação à beira de uma estrada carreteira que liga a Beira Baixa com as outras Beiras, tornaram-na um centro de passagem obrigatória para os almocreves e outros visitantes que por ali tinham que passar. Aldeia de grandes tradições, tem na sua essência o xisto com que são construídas a maior parte das suas habitações. Aldeia da Rede das Aldeias do Xisto, encontra-se em franca recuperação arquitectónica de forma a promover o turismo regional.

Dista cerca de 20 Km da aldeia do Piodão, sendo que o alojamento nesta aldeia é de qualidade e a preços simbólicos em relação a esta. Fajão tem também como posse uma aldeia chamada de Castanheira da Serra cheia de grandes e também diversas tradições perto de Ceiroquinho.

Localidades

Pertencem a esta freguesia, para além da sede, os seguintes lugares:
Açor, Boiças, Camba, Castanheira, Cavaleiros de Baixo, Cavaleiros de Cima, Ceiroco, Ceiroquinho, Covanca, Gralhas, Mata, Ponte Fajão, Porto da Balsa e Vale Pardieiro.

História

Data de 1233 o Foral que D. Pedro Mendes, prior do Mosteiro de Folques, deu à povoação do “Seira”, a que também chamavam de “Fajão”.

O Cadastro da População de Reino de 1527, mandado elaborar por D. João III, revela-nos que o concelho de Fajão tinha 30 vizinhos distribuídos pelos lugares de Fajão, Cavaleiros e Ceiroco, respectivamente com 24, 2 e 4 vizinhos.

Em 1594 encontrava-se na jurisdição de Coimbra, em virtude das terras do Mosteiro de Folques pertencerem a Santa Cruz de Coimbra. No princípio do séc. XVII, em 7 de Fevereiro de 1604 teve início a demarcação do termo de Fajão, que abrangeu um vasto território que ia da cabeça de Gandulfo, nas proximidades do Picoto de Cebola, passando pela selada de Portelo, até às covas do Rabalvo e atingindo a estrada que ia para Casegas.

Fajão tinha, em 1801, 713 habitantes e foi sede de concelho até 24 de Outubro de 1855, integrando as freguesias de Dornelas, Fajão, Janeiro de Baixo, Unhais-o-Velho, Vidual de Cima e Teixeira. Nesta data, o concelho foi extinto passando a integrar o de Pampilhosa, juntamente com as suas freguesias à excepção de Teixeira que integrou o de Arganil.

Em 1730, António Carvalho da Costa atribui-lhe 204 habitantes e informa que aquela terra era abundante em linho e no seu concelho havia dois juízes ordinários, dois vereadores, um procurador, um escrivão da Câmara, um juiz dos órfãos com respectivo escrivão, um tabelião, um alcaide e uma companhia de ordenanças.

Em 1758, sabemos que era vila, cabeça de concelho, pertencia à comarca da Guarda e ao Bispado da cidade de Coimbra. Tinha câmara e juiz ordinário confirmado Corregedor da cidade da Guarda. Os senhores eram o reverendíssimo padre reitor e mais cónegos regulares da congregação reformada de Santo Agostinho do Colégio Novo do Real Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. Pertenciam ao concelho os lugares de Cavaleiros, Ceiroquinho, Ceiroco e Covanca. O lugar das Bouças pertencia a Góis; enquanto Porto da Balsa, Castanheira e Ponte de Fajão pertenciam a Vila Cova. A vila tinha 35 vizinhos e os lugares: Sobrais, 3; Cavaleiros de Cima, 6; Cavaleiros de Baixo, 6; Bouças, 9; Ceiroquinho, 8; Ceiroco; Covanca, 3; Camba, 2; Porto da Balsa, 2; Castanheira, 3; Vale do Pardeiro, 2, totalizando 99 vizinhos que correspondia a 342 pessoas. Nesta data, os frutos da terra em maior abundância eram a castanha, pão, algum milho e mel. Tinha, em 1849, 3.359 habitantes.

A igreja paroquial, cuja construção teve o seu início em 2/6/1788, foi edificada no adro do templo anterior. A capela-mor foi benzida em 1 de Janeiro de 1789 pelo padre José de Almeida, por provisão do Bispo Conde D. Francisco de Lemos. Existiam ainda as seguintes ermidas: Capela de São Salvador (já existia, em 1698), capela de Nossa Senhora da Guia, que deve ter sido construída em 1860, capela do Senhor dos Milagres, na Mata teve licença para a bênção passada em 24/7/1878, da Transfiguração do Senhor, em Cavaleiros de Cima; São Domingos e Nossa Senhora das Graças (particular, edificada em 1728), em Cavaleiros de Baixo; Santo António, em Bouças, Ceiroco e Ceiroquinho; Nossa Senhora da Paz, na Ponte; Santo Aragão, em Castanheira; Nossa Senhora da Natividade, no Porto da Balsa; Santo Amaro, na Covanca.

Património

Museu Monsenhor Nunes Pereira

Dispõe de núcleos de etnografia, documentação, pintura e escultura. Exibe a reconstituição de alguns espaços típicos (cozinha, quarto). Tem sala de Exposições Temporárias.

Igreja Paroquial de Fajão

Séc. XVIII (1788). O altar-mor remonta ao séc. XVII. A Pia Baptismal e as imagens de São Teotónio, São Simão e Nossa Senhora do Rosário (recebidos do templo primitivo), à segunda metade do séc. XVI.

Capelas

Em zona aprazível, à entrada da aldeia de Fajão, erguem-se as capelas de Nossa Senhora da Guia e de São Salvador.

Antiga Casa da Câmara e Cadeia

Edifício em xisto que alberga hoje uma acolhedora hospedaria.

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, we couldn't find any images attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Faj\u00e3o","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.