Gondarém

Gondarém
Vila Nova de Cerveira



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"gondarem","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Gondarém é uma freguesia portuguesa do concelho de Vila Nova de Cerveira, com 7,13 km² de área e 991 habitantes (2001). Densidade: 139,0 hab/km².

Frente a Gondarém, no rio Minho, encontra-se a Ilha da Boega. Gondarém é rodeada pela freguesia de Loivo, a norte, pela freguesia de Sopo, a sul e nascente, pela freguesia de Lanhelas, (pertencente ao concelho de Caminha), também por sul, e pelo rio Minho, por poente, tendo a Galiza na outra margem. A freguesia de Gondarém, prima pela sua fertilidade agrícola e talvez seja por isso, uma das mais das mais populosas do concelho de Vila Nova de Cerveira.

Localidades

A freguesia é constituída pelos seguintes lugares: Alteia, Boavista, Calvário, Castanheiras, Chãozinha, Couto, Fontainha, Gave, Igreja, Lagos, Linhares, Loureira, Mangoeiro, Mota, Outeiral, Outeiro, Pedreira, Pedrosa, Penedo, Penetão, Portela da Veiga, Ramilo, São Sebastião, Sobrosa, Viso.

História

A Freguesia de Gondarém está a aproximadamente 3 km, a sul, da vila de Vila Nova de Cerveira, a sede do concelho a que pertence. Estende-se desde a margem esquerda do rio Minho, onde estão também as ilhas da Boega e dos Amores, marcas de beleza do Alto Minho, até ao cimo dos montes de Goios e Pena. Estes montes abrigam as suas populações que desde sempre aí se estabeleceram, conforme o demonstra a história, ao nos referir os vestígios castrejos nos pontos mais elevados.

Consta-se que em tempos, por volta de 970, Gondarém teria sido fundada por um normando de nome Gundáredo. O nome Gondarém, parece surgir pela primeira vez nas Inquirições de D. Afonso III. Refira-se que nessas inquirições, do ano de 1258, relativas ao rei Bolonhês, a Freguesia de Gondarém teria a designação de Mangoeiro, ainda um dos seus lugares. Segundo, o padre António Carvalho da Costa, tomou este nome por ali se encontrar a igreja antiga e que mudou o nome para Gondarém, quando se transferiu a igreja para este outro lugar.

Ainda, acerca da história desta freguesia, transcreve-se aqui, na íntegra, a informação que nos presta o livro “Inventário Colectivo dos Registros Paroquiais Vol. 2 Norte Arquivos Nacionais /Torre do Tombo:

«Em 1258, com o nome de Mangueiro, é citada na lista das igrejas, situadas no território de Entre Lima e Minho, que pertenciam ao bispado de Tui. Em 1320, aparece enquadrada no arcediagado de Cerveira, sendo uma das igrejas do bispado de Tui no território de Entre Lima e Minho. Nesse ano, e como se refere no inventário daquelas igrejas, mandado elaborar por D. Dinis, à igreja de São Pedro de Mangoeiro foi aplicada uma taxa de 75 libras. Quando, em princípios do século XVI, as freguesias de Entre Lima e Minho foram incorporadas na diocese de Braga, D. Diogo de Sousa mandou avaliá-las. O seu rendimento foi então calculado em 714 réis e 7 pretos.

Em 1546. São Pedro de Mangoeiro, a actual Gondarém, encontrava-se inserida na Terra de Vila Nova de Cerveira, rendendo 70 mil réis. O Censual de D. Frei Baltasar Limpo, na cópia de 1580, utilizada pelo Padre Avelino J. da Costa na elaboração do seu livro "A Comarca Eclesiástica de Valença do Minho'', refere que, nesta época. São Pedro de Mangoeiro se encontrava "partido em duas partes, a sem cura hé do arcebispo e a com cura de padroeiros leiguos".

Segundo afirma o Padre António Carvalho da Costa (Chorographia Portuguesa) era abadia, rendendo a metade curada "que presentão os senhores da Casa de Bertiandos por a família dos Cerveyras. cujo Morgado possuo aqui Manoel Ferreira d' Eça, senhor da Casa de Cavalleiros, por descendente de filho mais velho. 300 mil réis e a outra metade, simples, data do Ordinário, rende 120 mil réis'.

Em termos administrativos, aparece na comarca de Monção em 1839 e, em 1852, na de Valença. Por decreto de 12 de Julho de 1895. a freguesia foi anexada ao concelho de Caminha, regressando ao de Vila Nova de Cerveira, depois da sua restauração, feita por decreto de 13 de Janeiro de 1898».

Economia

Hotelaria, indústria de mármores e granitos, agricultura, pecuária e pesca.

Festas e romarias

  • São Sebastião (primeiro domingo de Maio)
  • São Paio (primeiro domingo de Agosto)
  • São Tomé (Dezembro)
  • Festa do Senhor e Nossa Senhora das Dores

Património

Igreja paroquial, capelas do Bom Jesus do Calvário e de São Sebastião, Solar da Loureira, Quinta do Outeiral, cruzeiros paroquial e das Faias, casas do Feital, dos Bicos e do Paço, Calvário do Bom Jesus, ilhas dos Amores e da Boega.

Gastronomia

Arroz de lampreia, debulho de sável, biscoitos de milho e meixões.

Colectividades

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Gondar\u00e9m","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Adicionar um Novo Comentário
Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.