Igreja de São Sebastião

Igreja de São Sebastião
Espiçandeira

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"igreja-de-sao-sebastiao-espicandeira","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"espicandeira","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


A Igreja de São Sebastião é um edifício de características arquitectónicas muito simples e curiosas situado na localidade de Espiçandeira, freguesia de Meca, concelho de Alenquer.

Esta Igreja de estrutura arquitectónica muito equilibrada, cativa o visitante que fica deslumbrado com a beleza e magnificência da azulejaria, profusa, de cores fortes e brilhantes de diamante e em formas variadas predominando o figurino do xadrez. Construída, assim se julga, nos finais do século XVI, portanto à volta dos anos 1590, constituiu sede de freguesia e paróquia de São Sebastião, até mais ou menos ao ano de 1850.

A porta principal é de arco de volta inteira ladeada de pilastras almofadadas, tal como acontece na porta lateral voltada para a estrada municipal; só que esta é encimada com a construção de uma concha que por cima dela aparece uma cruz esculpida na pedra, e dois relevos de figuras humanas, um de cada lado. A característica das conchas é peculiar nesta Igreja, já que no seu interior há uma no tecto do púlpito e outra formando uma semi-abóboda em semi-círculo, no tecto do altar-mor.

Ao entrarmos no templo, do lado direito há um painel de azulejos, de sete mosaicos de altura por cinco de base, representando São Sebastião, e do lado esquerdo outro painel de igual tamanho, sobre "O Baptismo de Cristo". As paredes laterais desta Igreja estão reforçadas com quatro pilastras de cada lado e os espaços de parede entre elas, estão forrados, de alto a baixo, com lindíssimos azulejos, e no topo, painéis, ao todo em número de sete, assim distribuídos: dois sobre São Sebastião; três sobre alegorias sebásticas das três setas coroadas; um para uma Custódia e o outro com a figuração de "o Menino Salvador".

O púlpito, situado no lado direito, é adossado à parede, de construção singela mas muito curiosa, pelas elegantes colunas que ostenta, e todo ele está favorecido pelo enquadramento espectacular dado pela beleza dos azulejos circundantes de cores reluzentes de verde e azul com desenhos geométricos delicados e impressionantes. Como já se referiu, mas é bom realçar, o tecto interior do púlpito tem na pedra o desenho de uma concha, feito a escopo e a cinzel, mas já algo gasta pelo tempo, de 400 anos passados. A outra concha da Igreja, é a concha gigante no tecto semi-esférico por cima do altar-mor. É uma construção de engenharia e arte que deixa extasiado o visitante atento. Descendo os olhos pela parede abaixo, vemos um nicho com um Cristo na Cruz. Ainda, no altar-mór ao centro, está uma imagem de grande valor, de "São Sebastião", no lado direito a Rainha Santa Isabel, e no lado esquerdo, uma imagem de Nossa Senhora de Fátima. Na sacristia há a referenciar duas imagens de pedra e bem decoradas: uma de São Roque com o anjo aos pés; a outra, de Santo António.

Nesta Igreja está bem patente um valioso sarcófago colocado perto do púlpito. Em pedra e apoiado por três leões de pedra, contém os restos mortais de Frei João Boto Pimentel, da Ordem de São João Baptista e Comendador de Tábora e Aboim, e de Santarém e de Nossa Senhora da Portela , de Vez e de São João de Valladares. Faleceu em 1683 e descendia de Ruy Botelho Boto, cujo pai foi reformador dos forais reais. Tinha parentesco com a família Lobos do Alvito e possuíam uma quinta em Espiçandeira. Há ainda descendentes vivos, de um dos ramos de família, e são residentes, como julgamos em Torres Vedras, mais propriamente em São Domingos de Carmões. Um outro túmulo, mas este no pavimento, e em prolongamento do degrau para o altar-mor, diz respeito a um capitão-mor, talvez falecido em guerra na Costa de Melinde, costa oriental de África, em cuja pedra está a data de 1617, uma época humilhante para Portugal, sob o domínio filipino, e em que perdemos diversas fortalezas e cidades na região de Melinde e na Índia, como por exemplo Ormuz.

Bibliografia

  • Roteiro do Concelho de Alenquer - Março de 1992
  • Alemquer e o seu Concelho, de Guilherme João Carlos Henriques - 1873
  • Alenquer-Concelho Multissecular e Monumental, de Luís Manuel Rucha Venâncio

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Igreja de S\u00e3o Sebasti\u00e3o","order":"dateAddedDesc"}}

Fotografias da região

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Espi\u00e7andeira, espi\u00e7andeira igreja-de-s\u00e3o-sebasti\u00e3o meca, -Igreja de S\u00e3o Sebasti\u00e3o","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.