Jaime Lobo e Silva

Jaime Lobo e Silva
Ericeira

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"jaime-lobo-e-silva","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"ericeira","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Jaime Lobo e Silva, o Mestre Jaime, nasceu no dia 9 de Novembro de 1875 às duas horas da manhã, na freguesia da Ericeira, concelho de Mafra.

Biografia

Jaime Lobo e Silva era carpinteiro, aprendeu com o pai, foi também aprendiz de música no regimento de infantaria 5. Já formado transitou para os Caçadores da Rainha e foi também regente na Sociedade Artística Ericeirense. Escreveu para o jornal «O Arqueólogo Português» e foi correspondente do jornal «Mala da Europa» onde escrevia crónicas de usos e costumes da Ericeira e restante concelho. Neste jornal também colaboravam Manuel Arriaga, Teófilo Braga, e ainda Tomás Ribeiro. No jornal ainda eram destacados eventos e inaugurações que surgiam no concelho de Mafra. Lobo e Silva trocava ainda correspondência com Patrocínio Ribeiro sobre o embarque da Família Real.

Jaime Lobo e Silva exercia ainda outras actividades: era arquivista, arqueólogo, bibliógrafo, registava e vacinava crianças. Trabalhou em Lisboa na secretaria da Escola Académica e, a convite de Salinas Calado, trabalhou também na Misericórdia de Torres Vedras, e foi até à sua morte escrivão da Misericórdia da Ericeira, sua terra natal.

O seu nome foi dado a uma casa de cultura sita na Rua Mendes Leal na Ericeira, que actualmente é propriedade da Câmara de Mafra.

Obra

Jaime Lobo e Silva era conhecido carinhosamente por Mestre Jaime e escreveu alguns livros tais como «Anais da vila da Ericeira», livro editado em 1933, onde o humanista faz o registo cronológico dos acontecimentos referentes à vila da Ericeira entre 1229 e 1943. Escreveu também «Memórias de um escrivão» ou «Retrospectos Ericeirenses» um conjunto de narrativas onde Lobo e Silva descreve com detalhe alguns personagens da época como é o caso de Tí Maria Ásquinha, Boi caraça e outros. Na publicação «Na roda do ano» falava-se sobre a Ericeira do século XIX, Mestre Jaime descreve com minúcia os usos e costumes da vila pitoresca passando pelas festas religiosas e profanas da Ericeira numa linguagem acessível. «Na banda da minha terra» Lobo e Silva fala dos fundadores da banda, sendo eles Joaquim Elisário Ferreira, António Costa Batalha e Frei Vicente Costa. Deixa também registado os chefes da banda como foi o caso de «Parnau» de « Catolicão » e de «Pataco». Mestre Jaime fala também da fundação de bandas e orquestras, descreve os uniformes, e defende os músicos que são mal compreendidos, caluniados pelo público. No livro «A vida quotidiana nos começos da Primeira República, inclui textos introdutórios e reúne breves noticias da vila. Já no livro «A Ericeira na gazeta de Torres», Lobo e Silva e Luís Palhano falavam acerca das elites e das instituições e associações a história local entre 1927 a 1933. Jaime Lobo e Silva concebeu um folheto sobre o mobiliário do século XVIII, nunca dizendo, que foi de sua autoria.

Descrição dos amigos

Mestre Jaime tinha muitos amigos, um deles era Alberto de Sousa, o pintor jagoz que mais tarde pintou o amigo. A aguarela está exposta na Casa de Cultura Jaime Lobo e Silva. Os amigos descreveram-no física e psicologicamente, como foi o caso de Horácio Gorjão. Dele disse Horácio Gorjão, um amigo, na edição d' O Concelho de Mafra, de Dezembro de 1956:

"Vejo-o no seu escritório da Misericórdia da Ericeira, junto ao velho relógio inglês de pêndulos, rodeado de livros tocados pelos anos, ante o cinzeiro pejado de intermináveis pontas de cigarros. Oiço-o falar com aqueles que, na grandeza ou na miséria da vida, iam insensivelmente perpassando naquele ambiente calmo, como se o tempo tivesse ali parado."

E acrescentou que era saudado e procurado por todos, conviveu com artistas e escritores e gostava muito da natureza, das crianças e do mar. Salinas Calado também o descreveu desta forma: "óculos remendados, bengala, beata na boca, andaina negra, chapéu desabado, homem de sorriso aberto, olhar claro e de fala simples". António Bento Franco proferiu que Lobo e Silva gostava de documentos velhos e tinha preferência por todo o tipo de literatura.

O humanista Jaime Lobo e Silva morreu a 11 de Setembro de 1943, há 66 anos com 68 anos de idade.

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Jaime Lobo e Silva","order":"dateAddedDesc"}}

Fotografias da região

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Ericeira, ericeira escritor humanista jaime-lobo-e-silva mafra m\u00fasico, -Jaime Lobo e Silva","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.