Loureiro

Loureiro

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"loureiro","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Loureiro foi um simples curato de Avanca e como Avanca, por concessão pontifícia a D. Manuel I, foi transformada numa nova comenda da Ordem de Cristo, passou para o novo padroado.

Data de 993 a primeira referência histórica a Loureiro, através da venda de uma herdade "na villa de Loureiro, entre a villa de Tonce e Macieira, perto do Castro Recarei, em território portucalense".

Contudo, a existência jurídica da paróquia só está documentada a partir de 1220, o que não exclui a hipótese de ela ser muito mais antiga. Vem citada numa lista de terras e propriedades de Mosteiros e Ordens da diocese do Porto nas Terras de Santa Maria e diz: “in freegesia Loureiro habet Templum 1 Casal”, ou seja, “A Ordem dos Templários tem um casal na freguesia de Loureiro”.

Entretanto, no “Livro Preto de Grijó”, do século XIII, pode ler-se: “…na aldeia de Loureiro disseram as testemunhas que ouviram dizer a muitos homens novos e vedros (velhos) que a quarta dessa igreja de Loureiro é de El-Rei e que viram pousar Rei Dom Afonso”.

Este documento, para além de demonstrar a existência duma sujeição da terra ao poder regalengo, oferece-nos motivos de curiosidade histórica, pelo facto de nele se testemunhar a visita de D. Afonso III à freguesia de Loureiro.

Loureiro é uma freguesia de antigas tradições, das quais se destacam as feiras da Alumieira, na Páscoa. “Saltar o rego. Todas as Páscoas há encontro marcado em Alumieira, Loureiro, "P'ra ver os burros". Páscoa a Páscoa, ano após ano, à Segunda-feira de tarde o largo torna-se pequeno para tanta gente.

Desde que há memória, Saltar o rego constitui a parte profana, popular, no tempo sagrado da Páscoa. Provavelmente, uma herança dos árabes que por cá passaram entre os séculos VIII e X d.C. (…).

Várias vezes centenária, existe em Alumieira, Loureiro, uma prática tradicional provavelmente única no País. Saltar o rego é uma expressão bem conhecida, simbolizando as corridas de cavalos e burros realizadas nas segundas-feiras da Páscoa, junto ao Largo de Alumieira. Como é que surgiu?

Voltemos aos "Guardadores de memórias", os mais antigos do lugar, que transmitem o que sabem: “Já o meu avô ouvia do dele que na Segunda-feira da Páscoa havia uma grande feira no largo. Nessa feira vendia-se de tudo, desde animais domésticos a alfaias agrícolas.

A atravessar o largo da Alumieira existia um rego de água, que servia para o regadio dos campos. Antigamente na região eram criados e vendidos muitos cavalos e burros. Então os vendedores que apareciam na feira, para mostrar se os animais eram bons, galopavam e obrigavam os cavalos a saltar o rego de água.

Assim via-se se eles tinham força nas pernas. As pessoas gostavam de ver; aplaudiam e os compradores faziam as suas escolhas.” (…) Hoje, Saltar o rego é uma corrida de cavalos ou burros, com concorrentes, eliminatórias, finais e prémios. Corre-se pela vitória, já não se salta para mostrar e vender os equídeos.” (Joaquim Coelho)

As Almas Mouras e a área protegida do Antuã são locais que proporcionam momentos únicos e paradisíacos.

Visitados os moínhos da Minhoteira, a Capela de Nossa Senhora da Alumieira, é tempo de parar na grandiosa Quinta do Barão, uma área que alberga a sede de algumas colectividades de Loureiro.

No largo da Alumieira pode-se também observar o Monumento ao Emigrante, representado por um rapaz do povo, em tamanho natural, sentado, pensativo, em bronze, assinado por H. Moreira 1966, sobre base de granito; e ainda um busto de bronze do conselheiro Dr. Albino dos Reis, datado de 22 de Dezembro de 1968.

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, we couldn't find any images attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Loureiro","order":"dateAddedDesc"}}

Fotografias da região

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":", , -Loureiro","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

  • - Artigo raiz

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.