Louriceira

Louriceira
Alcanena



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"louriceira","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Louriceira é uma freguesia portuguesa do concelho de Alcanena, com 12,78 km² de área e 611 habitantes (2001). Densidade: 47,8 hab/km².

A Louriceira é uma estreita, mas comprida, faixa do território situada ao longo do Rio Alviela, desde os limites de Malhou e Vaqueiros até ao maciço de Porto de Mós, onde se localiza o lugar de Carvalheiro, com os seus cem habitantes, e é uma das mais pequenas freguesias do concelho de Alcanena.

História

Situam-se na Louriceira os famosos Olhos de Água, onde nasce o Rio Alviela. Nesta nascente, durante mais de cem anos, foi captada água para o abastecimento de grande parte da cidade de Lisboa, sendo a água transportada através de uma conduta que começou a ser construída a 28 de Dezembro de 1871 e foi concluída quase nove anos depois, a 3 de Outubro de 1880. Durante a década em que decorreram os trabalhos de construção desta conduta, a Louriceira conheceu um grande desenvolvimento comercial, devido à presença de grande quantidade de trabalhadores, necessários à realização de tão grandiosa obra.

Os vários aquedutos existentes na freguesia, verdadeiras obras de arte e que constituem um interessante património arquitectónico e de arqueologia industrial, de que se salienta a Arcada do Vale, são os ex-líbris da freguesia da Louriceira, aldeia muito antiga, cujas origens remontam à Idade do Bronze ou talvez a período anterior.

Os seus primeiros habitantes terão sobrevivido da pastorícia, da pesca e da extracção de areias do Rio Alviela para abastecer uma fundição de bronze localizada no Cabeço das Figueirinhas (Quinta da Galambra), onde o investigador Vítor Gonçalves fez, há cerca de vinte anos, uma prospecção arqueológica de resultados ainda desconhecidos.

A origem do topónimo é o termo latino latium/lauritu, que significa terra dos loureiros.

A data da fundação da freguesia perde-se na bruma dos tempos, mas a sua Igreja Matriz terá sido edificada no século XII (1151), o que prova ser terra antiga. Do seu passado, infelizmente, pouco se sabe, atribuindo-se frequentemente à fuga dos jesuítas, que terão levado consigo o espólio da freguesia, o que justifica essa falta de documentação. Este saque terá sido completado em 1811, aquando da presença das tropas francesas na localidade.

Esta ausência de documentos históricos é suprida, em parte, pelas lendas que se contam na Louriceira sobre os factos do seu passado. Assim, conta-se que Luís Camões aqui terá nascido, na Quinta de Alviela, ou de que aqui houve uma feira anual que se realizava no dia 8 de Dezembro, dia da padroeira da Louriceira Nossa Senhora da Conceição, que, curiosamente, se realiza em Pernes. Ao concelho de Pernes pertenceu a Louriceira até à sua extinção, por decreto de 24 de Outubro de 1855, passando então para o de Santarém até à criação, em 8 de Maio de 1914, do concelho de Alcanena.

Gastronomia

  • Cachola
  • Migas à Tia Maria

Colectividades

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Louriceira","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.