Matacães

Matacães
Torres Vedras



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"matacaes","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Matacães é uma freguesia portuguesa do concelho de Torres Vedras, com 13,34 km² de área e 1.222 habitantes (2001). Densidade: 91,6 hab/km².

A cinco quilómetros da sede do concelho, para este-sudeste, e a quarenta e oito de Lisboa, a freguesia de Nossa Senhora da Oliveira de Matacães encontra-se na margem direita da ribeira do mesmo nome, na estrada para Monte Redondo.

Topónimo

Segundo a tradição, o topónimo está relacionado com as guerras da Reconquista Cristã entre as tropas de D. Afonso Henriques e os mouros. Depois da conquista de Torres Vedras, os cristãos caíram em cima do inimigo, com as frases “mata esses cães” a ecoar nas bocas dos portugueses. Assim ficou o nome Matacães.

História

O território que hoje constitui esta freguesia foi povoado desde tempos pré-históricos. O castro da Fórnea e a necrópole da Portucheira confirmam a presença humana no seu termo desde a época Neolítica e a Idade dos Metais. Quanto aos romanos, existe uma lápide com motivos astrais, lucernas e um “in-fundibulum” muito raro, que parece de inspiração cartaginesa.

Em termos eclesiásticos, a paróquia de Nossa Senhora de Oliveira, instituída em 1559, foi um priorado da apresentação da colegiada de São Miguel de Torres Vedras. Tinha de rendimento anual cem mil réis e o pé-de-altar, quantia bastante elevada tendo em conta a média das paróquias da sua dimensão.

Em 1507, no tombo dos bens da confraria do mesmo nome, a freguesia aparece com a denominação de Santa Maria do Mosteiro de Matacães. O mosteiro, com efeito, esteve para ser construído num bosque que existia perto da igreja paroquial. No entanto, a falta de água levou os frades arrábidos, que lideravam todo o processo, a construí-lo em Barro em 1570.

A origem desta igreja é descrita por Frei Agostinho de Santa Maria em “Santuário Mariano”:

“Em eras remotas havia n’este sítio, em que depois se fundou a aldeia de Matacães, uma ermida dedicada ao Espírito Santo, e junto d’ella um pequeno terreiro, no qual se via, para o lado do norte, uma grande e única oliveira, no sítio mais eminente. Estavam aqui algumas casinhas ou choupanas, onde viviam os seus pobres habitantes. A esta pequena aldeia chamava-se então o logar do Espírito Santo.

Na citada oliveira appareceu uma imagem de Nossa Senhora a um certo indivíduo, que deu logo parte a outros da milagrosa apparição. Participaram o facto ao prior da egreja de São Miguel de Torres Vedras e aos sus beneficiados, a cuja freguezia pertencia o logar do Espírito Santo. O parocho e os beneficiados vieram acompanhados de muito povo ao sítio indicado, alguns d’elles viram a santa imagem, e querendo aproximar-se para a tirarem e levarem para a egreja, a imagem desappareceu. Alguns dias depois tornou a ser vista na mesma arvore. Dez vezes o parocho tentou trazel-a para a egreja, mas a imagem desapparecia sempre, apenas se aproximava da arvore. Decidiram então erguer n’aquelle mesmo sitio um santuario, para o que depressa se juntaram bastantes offertas, mas quando a capella estava construida, a imagem havia desapparecido, e resolveram então mandar fazer outra imagem, de pedra, e a collocaram no altar da capella.”

Para a população, no entanto, as folhas da oliveira, ou mesmo a madeira que a constituía, tinham algo de milagroso. Fervida em água, seria infalível para imensas doenças. A excitação popular foi tanta que, pouco tempo depois, a oliveira encontrava-se completamente despida, pois as pessoas, que vinham de longe, retiravam as folhas para tentar a cura das suas maleitas. Segundo Frei Agostinho de Santa Maria, na obra já citada, o aparecimento da imagem na oliveira ter-se-á dado por volta do ano de 1500.

O crescimento demográfico de Matacães tem sido lento mas contínuo. Tinha 1315 habitantes em 1890, 1432 em 1930 e cerca de 1800 actualmente. É uma população que tem na agricultura e na pequena indústria as suas principais fontes de rendimento.

Heráldica

Ordenação heráldica do brasão e bandeira:

Brasão

Escudo de prata, oliveira arrancada, folhada e frutada de sua cor, posta entre um cacho de uvas de púrpura, folhada de verde e um sino de vermelho; movente da ponta, um monte de verde. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro, em maiúsculas: "MATACÃES".

Bandeira

De vermelho. Cordão e borlas de prata e vermelho. Haste e lança de ouro.

Actividades económicas

Agricultura, indústria de extracção de produtos químicos e pequeno comércio

Festas e Romarias

  • Nossa Senhora da Oliveira - Agosto
  • Senhor do Calvário - 3 de Maio e Domingo de Ramos
  • Santíssimo Sacramento - Junho
  • Nossa Senhora de Fátima, Santo Amaro - segundo domingo de Julho
  • Mártir São Sebastião - primeiro Domingo de Agosto

Colectividades

Gastronomia

Cachola de porco, arroz de matança, doce de abóbora e uvada

Artesanato

Rendas e bordados

Património

  • Aqueduto de Torres Vedras
  • Casa da Quinta Nova
  • Residência Solarenga da Quinta do Juncal
  • Castro da Fórnea
  • Ermida e Sítio do Senhor Jesus do Calvário
  • Igreja de Nossa Senhora da Oliveira

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Matac\u00e3es","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.