Minde

Minde
Alcanena



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"minde","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Minde é uma freguesia portuguesa do concelho de Alcanena, com 21,20 km² de área e 3.311 habitantes (2001). Densidade: 156,2 hab/km².

História

Em 1165, um quarto de século após a independência de Portugal, D. Afonso Henriques concedia isenção de impostos a D. David e mais catorze casais que aqui habitavam, a fim de manterem uma albergaria que desse abrigo aos viandantes. Este privilégio, confirmado ao longo dos séculos por nada menos que vinte e três cartas reais, durou até cerca de 1820, e constitui o elemento mais duradoiro na história local.

Desde o século XVII que pode documentar-se a actividade têxtil, que assumiu volume notável particularmente a partir de meados do século XVIII, para tal tendo influído, entre outros factores, a presença de um hospício de frades arrábidos, que terminou pela Lei da Extinção das Ordens Religiosas, em 1834, e do qual restam ainda algumas paredes e a divisão da cerca.

A Igreja, de origem muito antiga foi, até meados do século XVII, dedicada a Nossa Senhora do Cerejal, depois passou a ter como orago Nossa Senhora da Assunção. A sua forma actual vem do final do século XVII, encontrando-se muito bem conservada, com uma riqueza de talha que alguém classificou como “ a melhor a sul de Coimbra “ e painéis de azulejos da época, sendo os da Capela-mor pintados de propósito para o local. As capelas de Santo António e S. Sebastião, uma a sul outra a norte da povoação, datam do século XV ou XVI, podendo a de Santo António ter origem na tradição sacra do lugar, por aqui ter existido, até ao século XVII, o túmulo de D. David, que o Rei Fundador citou no decreto sobre a albergaria.

As ruas sinuosas e apertadas, o aproveitamento das rochas para sobre elas levantar paredes, a pequenez das casas e o traçado consoante os relevos do terreno são os sinais da antiguidade ainda hoje bem visíveis.

Uma das expressões mais curiosas da cultura tradicional do povo de Minde encontra-se no Calão Minderico, que foi linguagem cifrada de feirantes, provavelmente desde o século XVIII até quase meados do século XX. O visitante curioso pode encontrar à venda na localidade um dicionário desta preciosidade linguística.

Colectividades

  • Sociedade Musical Mindense, a colectividade mais antiga, fundada em 1915, mas com raízes que podem documentar-se ainda no século XIX
  • Vitória Futebol Clube Mindense
  • Associação dos Bombeiros Voluntários de Minde
  • Centro de Bem-estar de Minde, Secção Infantil e Lar de Idosos
  • CAORG – Centro de Artes e Ofícios Roque Gameiro, com escola de música oficialmente reconhecida
  • Casa do Povo de Minde, proprietária do Cine-Teatro Rogério Venâncio
  • Associação Cultural e Recreativa do Vale Alto
  • Centro Sócio-Cultural de Covão de Coelho
  • Rancho Folclórico de Covão de Coelho, uma das mais importantes colectividades da freguesia
  • Sociedade Portuguesa de Espeleologia – Delegação de Minde
  • Agrupamento de Escuteiros de Minde

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Minde","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.