Miranda do Corvo

Miranda do Corvo
Sub-região Pinhal Interior Norte



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"miranda-do-corvo","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}

Foto de Vítor Oliveira

Lista de Municípios Portugueses

anuncio100x60.png


Miranda do Corvo é uma vila portuguesa no Distrito de Coimbra, região Centro e sub-região Pinhal Interior Norte, com cerca de 7.500 habitantes.

É sede de um município com 126,98 km² de área e 13.622 habitantes (2006), subdividido em 5 freguesias. O município é limitado a nordeste pelo município de Vila Nova de Poiares, a leste pela Lousã, a sueste por Figueiró dos Vinhos, a sudoeste por Penela, a oeste por Condeixa-a-Nova e a noroeste por Coimbra. O território do concelho de Miranda do Corvo é atravessado pelos Rio Ceira, pelo Rio Dueça e pelo Rio Alheda. O primeiro nasce na freguesia da Cumieira, no vizinho concelho de Penela e entra no de Miranda por um vale estreito, próximo da povoação da Retorta; segue em curvas, por um vale apertado até Albarrol, onde se desafoga um pouco para de novo entrar, abaixo de Godinhela, noutra garganta até quase às proximidades da vila; passa então a poente da vila, a algumas centenas de metros por detrás do Cristo-Rei, onde recebe as águas da ribeira do Alhêda; e novamente enfia por um vale de curvas apertadas, até que desagua no Ceira, sensivelmente entre os lugares de Ceira e Vendas da Serra.

Recebeu foral de D. Afonso Henriques a 19 de Novembro de 1136.

Freguesias

História

A origem do nome da freguesia, será latina: advirá de mirandus - atalaia ou miradouro -, que corresponde à primitiva função do cabeço onde foi construído o castelo e onde hoje se vê a igreja matriz.

Chamou-se no início do século XVI Miranda de Coimbra e ainda de Podentes, e só no 3º quartel desse século se começou a chamar do Corvo, que era - e é - povoação próxima, ao tempo muito importante por se localizar na estrada real para as Beiras. Há também quem afirme que à ribeira do Alhêda se chamava antigamente rio Corvo.

Capital da Chanfana

Miranda do Corvo reclamou o titulo de Capital da Chanfana uma vez que, segundo a lenda, a chanfana teria surgido no Mosteiro de Semide. Até finais do século XIX, todos os agricultores e rendeiros eram obrigados ao pagamento dos foros. Assim, o Mosteiro recebia dos moradores do seu couto os foros a que estavam obrigados. Galinhas, vinho, azeite, dias de trabalho, cabras e ovelhas, eram formas de pagamento. Durante o mês de Agosto e até ao dia de São Mateus, as freiras de Semide recebiam as suas «rendas».

Muitos dos moradores, porque eram pastores, pagavam com cabras e ovelhas. Ora, como as freiras não tinham disponibilidade nem meios para manter tão grande rebanho, descobriram uma fórmula para cozinhar e conservar a respectiva carne, aproveitando o vinho que lhes era entregue pelos rendeiros, o louro que tinham na sua quinta, bem como os alhos e demais ingredientes. Surge, assim, a chanfana que era religiosamente guardada ao longo do ano nas caves frescas do mosteiro. A carne assada no vinho mantinha-se no molho gorduroso solidificado, durante largos meses.

Segundo outros, terá sido durante a terceira invasão francesa que as freiras inventaram esta fórmula gastronómica para evitar que os soldados franceses roubassem as cabras e as ovelhas da região. Finalmente, há quem diga que a receita da chanfana nada tem a ver com o Mosteiro de Semide, mas apenas com as invasões francesas. Diz-se, então, que, quando as tropas francesas andaram pela região da Lousã e de Miranda do Corvo, a população envenenou as águas para matar os franceses. Mas era preciso cozinhar a carne habitualmente consumida (de cabra e de carneiro) e, como a água estava envenenada, utilizou-se o vinho da região. A chanfana é um prato típico, não só no concelho de Miranda do Corvo como de praticamente toda a região centro. É muito apreciada e servida em bastantes restaurantes da zona. De salientar que constitui o prato «obrigatório» quando decorrem as festas religiosas anuais, nomeadamente na vila, pelo São Sebastião.

Miranda do Corvo organiza anualmente a "Capital da Chanfana" na última semana de Abril. Trata-se de um conjunto de iniciativas culturais e recreativas de defesa da gastronomia local.

Património

Miranda desenvolveu-se em redor do morro do antigo castelo num emaranhado de ruas e escadas estreitas que fazem da zona histórica da vila uma das mais características do país. Do alto do Calvário, junto à igreja matriz e à torre sineira, vislumbra-se uma panorâmica de toda a vila e das vertentes da serra da Lousã. Neste local sugerimos uma visita à Igreja Matriz. Esta igreja tem por patrono o Salvador. D. Henrique e D. Teresa doaram a igreja à Sé de Coimbra, indirectamente, isto é, autorizaram o presbítero Árias a fundar a igreja, parecendo deduzir-se que foi em época anterior à incursão moura de 1116.

Em relação a construções anteriores à actual, há documentos comprovativos de uma nos finais do século XIV. O actual edifício provém duma reconstrução do último quartel do século XVIII, substituindo a velha igreja do século XV, por esta se ter arruinado completamente a ponto de ser demolida em 1785. A data de 1786 na porta principal corresponde ao início dos trabalhos. É um templo vasto e regularmente proporcionado. A frontaria segue o esquema neoclássico da igreja distrital usual à época: duas pilastras em cada lado, elevando-se a parte média; porta de cimalha e verga curvas, encimada pela janela do coro. O interior é de uma só nave, muito ampla. A cabeceira contém o retábulo principal e os colaterais datados do fim de setecentos.

Junto à igreja Matriz encontra-se a Torre Sineira. Pertencia ao desaparecido Castelo Medieval, que com a perda de importância estratégica se foi deteriorando, até ao seu completo desaparecimento.

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Miranda do Corvo","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.