Moledo

Moledo
Caminha



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"moledo","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Moledo é uma freguesia portuguesa do concelho de Caminha, com 7,65 km² de área e 1 275 habitantes (2001). Densidade: 166,7 hab/km².
Informação Sumária

Geografia

A Freguesia de Moledo tem, aproximadamente, uma área de 765 ha e dista cerca de 3 Km da vila de Caminha, a sede do Concelho a que pertence. Faz limite, a Norte, com a Freguesia de Cristelo; a Nascente, com as freguesias de Azevedo e de Venade; a Sul, com a Freguesia de Vila Praia de Âncora e a Poente, com o Oceano Atlântico.

A freguesia espraia-se no sopé da encosta formando uma concha que a protege na defesa dos ventos do Norte pelo pinhal do Camarido e pelo monte de S. Tecla, na Galiza. Desde meados do século passado, quando o turismo interno começou a ganhar vulto, sobretudo o veraneio à beira-mar, a parte rural, a que se chama propriamente a freguesia, paralisou um pouco dando, lugar ao desenvolvimento urbano da praia, que contribuiu, em parte, para a economia e a notoriedade da freguesia.

Havia em Moledo dois tipos de locomoção dos moinhos de moer grãos de milho e trigo, os de vento e os de água, quase todos eles desaparecidos ou reconstruídos em habitação. Havia cinco ou seis moinhos de vento junto ao mar dos quais existe memória fotográfica e que alguns eram deslocalizados por juntas de bois, pois tinham umas rodas grandes que dariam mobilidade aos moinhos conforme os ventos que se pretendiam certos. Os moinhos a água funcionavam junto ao rego das Preces, sobretudo localizados em Prado e Fulão, pois produzia-se nesses tempos bastante linho, dando azo a muitos fiados e espadeladas à moda do Alto Minho.

Em tempos afastados havia camboas que eram formados por pedras encravadas na areia em meia-lua, virada à Terra, que serviam para apanhar peixe, quando vinha a baixa-mar.

Toponímia

O topónimo Moledo, significa pequeno monte de pedras, uma alusão ao aspecto geral do solo. A sua constituição geomorfológica é bastante variada, com a serra, a Sul e a Nascente, onde se sobressai o monte de Facho em frente à Capela de S. Isidoro. O monte de Facho, assim se chamou, por ter aí ter havido, em tempos idos, um sinal para os mareantes.

História

Em relação ao passado histórico, mais distante, não é difícil encontrar, no litoral moledense, vestígios do homem da pré-história, encontrando-se facilmente testemunhos da passagem do homem, na rude tarefa de colher alimentos, servindo-se de seixos rolados que talhava com perícia invulgar.

Era com estes instrumentos rudimentares que arrancava dos penedos o marisco para a sua alimentação, ou custava os animais e as planta de que carecia.

Da cultura asturiense, é fácil colher, à flor da terra, picos, bem como percutores e pesos de rede.

A primeira referência histórica a esta freguesia encontra-se nas Inquirições de D. Afonso III em 1258.

O Rei apenas detinha uma quarta parte da Igreja, com os seus rendimentos.

Diz que João Nunes de Cerveira comprou o quinhão de uma mulher que era herdeira doutra quarta parte, por a ter aforado ao rei, da qual ela e os seus herdeiros pagavam renda.

Nesta época, a igreja paga ao Rei, pela quarta parte que lhe cabia, um maravedi, pelo S. João. Do restante pagava contributo ao bispo de Tui a quem pertenciam as outras partes, do qual está de um documento da lista das Igrejas e Diocese de Tui elaborado entre 1258 e 1259 no qual Moledo pertencia ao bispado de Tui.

Também se diz, nas mesmas inquirições, que o rei possuía um casal de reguengo no sítio do Loureiro, recebendo por ele a terça de todas as colheitas.

Em 1320, a renda apurada à Diocesse de Tui era de 95 libras. O Censual da diocese de Tui para o arcediagado da Vinha elaborado em 1321, atribui a Moledo o rendimento, para a Sé, de um quarteto de trigo e procuração. Nesta época Cristelo pagava mais no censual de D. Diogo de Sousa, mandado fazer entre 1514 e 1532, a freguesia de Moledo não aparecia, como quase todas as freguesias de Caminha, estava na posse do Marques de Vila Real.

Em 1545-1549, Moledo estava integrado na comarca eclesiástica de Valença e rendia 40 mil réis.

Segundo o Censual de D. Frei Baltazar Limpo, entre 1551-

1581, Moledo estava dividida em três partes, quanto ao seu rendimento. Uma parte para o Marquês de Vila Real, as outras para o benefício, uma com cura e outra sem cura d`almas.

Esta freguesia passou por herança, para os duques de Caminha até 1641, em que o último duque de Caminha foi enforcado por traição, sendo-lhe confiscado todos os seus bens, que passaram para casa do Infantado.

Em 1706 era padroado da casa do Infantado, detendo o direito de apresentar pároco, e o seu rendimento cifrava-se em cem mil réis.

A Ordem de Cristo, também, detinha dois prestimónios sobre o rendimento do benefício, com noventa mil réis cada um.

A casa do Infantado foi extinta em 18 de Março de 1834, sendo incorporados os seus bens e rendimentos e foros, no património nacional.

A via-férrea aparece em 1878 e a estrada nacional, hoje estrada velha em 1857. Em 1916 abre-se a Rua Senhora ao Pé da Cruz numa tentativa de ligar a freguesia à praia um aglomerado populacional em constante crescimento, iniciado no século XIX pelo moledense António Manuel Alves do Casal. O grande impulsionador do desenvolvimento da praia de Moledo foi Dr. Arnaldo de Sousa Rego, aquando Presidente da Câmara Municipal de Caminha.

Quando em 1919, foi proclamada a monarquia do Norte, Moledo não ficou insensível.

Como o governo republicano enviasse uma divisão naval para o Norte do país, a Junta Governativa do Reino, estabeleceu postos de defesa em Afife, Âncora e Moledo, vindo para este último uma força da infantaria nº 6 sob o comando de um tenente, que se instalou no antigo hotel e casa da pensão de Moledo do Minho, mais conhecido pelo hotel D. Cândida onde estabeleceu quartel.

Em princípios de Fevereiro de 1919 a Marinha de Guerra bombardeou a estação de Âncora.

No dia seguinte, pela tarde, Moledo sofreu um ataque durante 40 minutos, pelos navios de guerra com pontarias certeiras, devido a encontrarem-se a bordo marinheiros de Lanhelas que conheciam a região.

O associativismo, em Moledo, teve o seu início em 1648 com a constituição da Confraria de Santo Isidoro. Em 1731 é fundada a Irmandade das Almas, que ainda hoje existe, sem desvios nem desvirtuamentos dos seus princípios.

A Irmandade do Senhor ou Santíssimo Sacramento, da qual apenas se conhece como data provável da sua fundação, o que consta da Provisão Regia de quatro de Maio de 1816, que dava o direito de receber o produto da arrematação do Sargaço do Portinho do Senhor, direito esse extinto em 1914. Estas Irmandades deviam obrigação à Junta de Paróquia a quem prestavam contas anualmente. Foram criadas, ainda, as Irmandades do Coração de Jesus e do Coração de Maria, esta constituída em 1962, desconhecendo-se a data da constituição da do Coração de Jesus.

Após a implantação da República em 1910, foi constituída em Moledo, a primeira Associação Cívica e Cultural, denominada, Centro Republicano, que teve a sua sede no salão da casa de João Silva.

A A.M.I.R.- Associação Moledense de Instrução e Recreio, fez a sua inscrição no Governo Civil de Viana do castelo, em 1933, sendo seus principais fundadores: João Afonso Rodrigues da Costa, conhecido por "João das Iscas", Manuel Joaquim Amorim (comerciante na Rua Manuel Cerqueira), Januário Moreira "alfaiate", Alfredo Moreira, conhecido por "Linholas", Américo Rocha, Artur Júlio Fernandes Fão. Durante muitos anos, a alma mater da A.M.I.R., foi o Senhor João Silva.

Em 1950, fixava-se em Moledo, António Pedro, homem de Teatro, Poeta, Escritor, Pintor, Ceramista, Critico de arte e Jornalista, deu algum contributo a A.M.I.R. quando ensaiava a peça de Teatro "O Leão da Estrela". António Pedro que veio a ser presidente da direcção com o apoio de João Silva.

Ainda, a respeito da história desta freguesia, no livro "Inventário Colectivo dos Arquivos Paroquiais vol. II Norte Arquivos Nacionais/Torre do Tombo" diz textualmente:

«Nas Inquirições de D. Afonso III, esta freguesia é já mencionada, figurando na relação das igrejas pertencentes à diocese de Tui, elaborada entre 1258 e 1259.

Na lista das igrejas mandada fazer por D. Dinis, em 1320, para apuramento de taxa, Moledo ficou a pagar à coroa 95 libras. Para o cabido da Sé de Tui, em 1321, pagava um quarteiro de trigo e procuração para o arcediagado da Vinha, como se depreende do Censual. Entre 1545, Moledo encontrava-se inserida na comarca eclesiástica de Valença, com um rendimento aproximado de 40 mil réis.

Pertencia, em 1839, à comarca de Monção, em 1852, à de Viana do Castelo e, em 1878, à de Caminha. »

Tradições

No campo das tradições, havia a tradição da missa do galo que desapareceu, durante a qual colocavam dois galos na tribuna, batendo-lhes as palmas para cantarem quando o sacerdote entoasse a glória.

Os Clamores constituíram uma tradição religiosa muito importante tendo caído em desuso.

A queima do Judas, em Sábado Santo, as fogueiras de S. João e de S. Pedro, com o consequente roubo dos carros de bois, as missas das "obradas" no dia seguinte ao enterramento do defunto.

Habitantes e eleitores Inscritos: Cerca de 1500 habitantes e 1175 eleitores no ano de 2008

Economia

  • Agricultura e pecuária, construção civil, turismo, recolha de sargaço e comércio.

Tradições festivas

  • Senhora ao Pé da Cruz, (1º domingo de Agosto)
  • Festa do Senhor (último domingo de Setembro)
  • S. Sebastião (20 de Janeiro)

Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Capela da Senhora ao Pé da Cruz, Capela de Santo Isidoro, Capela de Santa Ana, Cruzeiro e Igreja Paroquial, Praia de Moledo, Pinhal do Camarido, Monte do Sino de Mouros e Monte de Crasto.

Gastronomia

  • Enchidos de porco

Colectividades

  • Assoc. dos Amigos de Moledo
  • Assoc. Columb. De Moledo
  • Assoc. Moledense de Instrução e Recreio
  • Ínsua Clube de Moledo
  • Centro Cultural e Desportivo de Moledo

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Moledo","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.