Paradança

Paradança
Mondim de Basto



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"paradanca","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Paradança é uma freguesia portuguesa do concelho de Mondim de Basto, com 8,09 km² de área e 373 habitantes (2001). Densidade: 46,1 hab/km².

Freguesia situada na margem esquerda do rio Tâmega, Paradança dista 7 quilómetros da sede do concelho. Os seus limites territoriais confinam com os das freguesias de Mondim de Basto, Ermelo e Campanhó, deste concelho, e com a freguesia de Rebordelo, do concelho de Amarante. A sua área é de aproximadamente 850 hectares, dos quais 650 são de terrenos baldios e 200 de propriedades privadas.

História

Sant'Anna Dionísio visitou esta freguesia há cerca de 30 anos para a incluir no “Guia de Portugal”. Deixou a sua visão:

“… Perde-se de vista o Marão para se dominar a serrania de Celorico. A duas ou três centenas de metros de fundura, entre inóspitas ribanceiras, algumas despidas e pedregosas, outras revestidas de pinheiro bravo, correm as águas do Tâmega. Brenhas sobre brenhas ao longo da carreteira. Num fojo destes sítios ainda recentemente foi descoberta por um pastor, uma surpresa silvestre: o ninho de uma corça, com dois filhotes de pernitas altas, muito trémulas, com os olhos espantados. Estamos no extremo da modesta montanha da Meia Via, na encruzilhada da Paradança”.

Paradança foi uma abadia da apresentação dos marqueses de Marialva ou segundo a Estatística Paroquial de 1862, da apresentação do convento de São João de Arnóia. Mais tarde passou a reitoria. Esta freguesia esteve anexada para efeitos civis à de São Cristóvão de Mondim de Basto. Foi anexada ao concelho de Celorico de Basto, enquanto durou a supressão do de Mondim de Basto de 26 de Junho de 1896 a 13 de Janeiro de 1898.

Topónimo

Sobre o topónimo principal desta freguesia, diz Pinho Leal que Paradança é como Paradela ou Paradinha, diminutivo de Parada, em Português antigo. Crê-se que as origens da forma Paradança estejam ligadas às das de Parada, sendo desta diminutivo. Dava-se o nome de “parada” ao foro que o povo pagava aos senhores da terra quando nela apareciam e consistia em terem-lhe pronta certa quantidade de mantimentos ou dinheiro para manutenção e aposentadoria deles e da comitiva. Nos diversos forais do distrito de Vila Real indicam-se diversas formas revestidas pela “parada”. Do exposto resulta que Parada indica terra que pagou o tal foro e, da mesma forma, Paradança significará localidade que pagava um foro menor. O grande mestre José Leite de Vasconcelos tinha uma opinião diferente, pois dizia que “Paradança se deve entender, não como foro pequeno, mas como denominação de um lugar menor em relação a outro chamado Parada”.

Património

  • Igreja matriz
  • Capela da Senhora do Monte
  • Relógio de sol (na torre da igreja)
  • Alminhas
  • Lagares de azeite
  • Moinhos na margem do ribeiro (no lugar dos Moinhos)
  • Parque de merendas
  • Praia fluvial no vale do Tâmega

Do património edificado desta freguesia ressaltam os edifícios religiosos. A igreja matriz, da invocação de São Jorge, é um templo construído em 1776, em pedra da região e reconstruído na sua totalidade há cerca de cinco anos. A Capela do Senhor do Monte originalmente assentava em quatro colunas de pedra, era coberta de zinco e tinha uma grade em volta. Hoje, a grade foi substituída por tijolo rebocado, e o zinco deu lugar à telha. Esta ermida está situada em pleno monte, e a ela acorrem grande número de devotos, em 15 de Agosto, para participar na festa em honra do orago do templo.

“Uma teia emaranhada de rios e riachos, rasga de alto a baixo o tecido granítico deste concelho, explodindo em locais paradisíacos capazes de surpreender o mais céptico dos visitantes”, escreveu Luís Jales de Oliveira. Parece ser o caso desta freguesia, onde o “histórico e sagrado Tâmega, veia-cava da região, marca física e espiritualmente quantos nasceram em Basto, desdobra-se em lindíssimas praias fluviais, espectaculares percursos de canoagem e desportos náuticos, e ricos e incontáveis pesqueiros a seduzir os apaixonados das bogas, dos barbos, dos escalos, das trutas, das enguias e das abletes”. É o que acontece em Paradança, onde o Tâmega deu origem à linda Praia fluvial do Vau.

Economia

Paradança tem cerca de 350 habitantes, na sua maioria com idades superiores a 50 anos, tendo registado no Censos 91 uma população residente de 310 almas, ocupando 145 alojamentos familiares. A maior parte desta gente vive da agricultura (vinho, milho, cereais, batata), da pecuária (bovinos, ovinos, caprinos, suínos) e da apicultura. Papel importante é também o que a silvicultura desempenha na economia desta freguesia. Aos baldios vai-se buscar riqueza através das suas madeiras, principalmente pinheiro bravo, e produtos resinosos. Também a indústria tem aqui lugar (blocos de cimento, construção civil, serralharia), bem como o pequeno comércio.

Festas e Romarias

  • São Jorge (no domingo mais próximo ao dia 23 de Abril)
  • Senhora do Monte (15 de Agosto)

Artesanato

Os aspectos etnográficos de Paradança são igualmente um forte atractivo que a própria orografia defende, garantindo a autenticidade. Aqui, o artesanato conserva um vigor notável. Como dizia Luís Jales de Oliveira, “Constrói-se o mundo com pequenos nadas, no cósmico girar aos solavancos, desta vida, com empírica ternura de mãos calejadas, que talham tamancos à medida”. Os tamancos ou socos de Paradança, feitos com madeira e couro, são como que o “ex-líbris” artesanal desta terra. Também a tecelagem do linho tem aqui fortes tradições. Outras actividades artesanais são a tanoaria e a carpintaria que, neste caso, se dedica ao fabrico de carros de bois.

Colectividades

Quanto à música merece menção especial o Grupo de Zés Pereiras de Paradança. Agrupamento com uma velha existência, vai mantendo bem vivo, e cada vez mais novo, o espírito que presidiu à sua fundação. É o embaixador cultural da freguesia que tem levado bem longe o seu nome, encantando os mais diversos públicos com os seus “cantares e tocares” típicos. Em termos de cultura registe-se também, a existência de uma magnífica sala de espectáculos, onde se realizam algumas comédias, especialmente pelo Carnaval. Para a cultura do corpo, Paradança possui um polidesportivo, onde se pratica predominantemente o futebol de salão e o ténis. Para a educação e recreio das crianças, a população dispõe de um infantário.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.


Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Paradan\u00e7a","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.