Pataias

Pataias
Alcobaça



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"pataias","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Pataias é uma freguesia portuguesa do concelho de Alcobaça, com 78 km² de área e cerca 7.000 habitantes (2008). Densidade: 89,7 hab/km². Foi elevada a vila a 16 de Maio de 1984. Apesar de pertencer ao concelho de Alcobaça, mantém uma ligação especial à cidade vizinha da Marinha Grande, quer pela proximidade geográfica quer pela relação económica, constituindo-se como uma extensão dos pólos industriais marinhenses.

Localidades

Esta freguesia fica situada a norte do concelho de Alcobaça e, além de Pataias, dela fazem parte as povoações de Pataias-Gare, Pisões, Burinhosa, Ferraria, Mélvoa, Paio de Baixo, Paredes da Vitória, Mina do Azeiche, Água de Medeiros, Pedra do Ouro, Légua, vale do Inácio, Boubã, Alva e, ainda uma extensa costa com praias magníficas.

Toponímia

Como não podia deixar de ser, devido à antiguidade da região, muitas hipóteses há a considerar para a formação do nome Pataias: algumas delas que já forma motivo de polémica no extinto jornal “A Voz da Paróquia”, são a que nos informa que Pataias se deverá provavelmente aos deuses pataicos, deuses fenícios que enfeitavam os barcos desse povo que frequentemente viajou pelas nossas costas. Outra, do Padre José Ferreira Lacerda, defendendo que Pataias derivava de Patais oriundo da abundância de patos existentes nas lagoas da região. Outra ainda, que se aponta como mais credível, é a que se situa nesta terra as tulhas dos frades da Abadia de Cister, sabendo-se que Pataias é um vocábulo de origem indiana que significa tulhas. A tradição popular, informa-nos da lenda de que indo a Rainha Santa Isabel a passar por aqui com o seu séquito e sentindo que os cavalos iam cansados, por pisarem carregados as areias do caminho que na altura eram muitas, terá dito às suas aias para que aliviassem as montadas: “à pata aias”.

História

Pataias existe há muitos séculos. Quantos, não se sabe, mas sabe-se que já em 1151 o nome era referido por D. Afonso Henriques, no documento de doação feito por este Rei aos Monges Beneditos da Ordem de Cister. E o documento diz:

"Eu, D. Afonso, pela Divina Misericórdia Rei dos Portugueses, juntamente com a Rainha Mafalda, minha mulher e companheira no reino fazemos testamento em Couto a vós D. Bernardo abade do Mosteiro de Claraval de Hua nossa própria herdade que temos entre aqueles dois lugares chamados Leiria e Óbidos, abaixo do Monte Faixa, comarca de Lisboa, águas vertentes ao mar. Damo-vos também o lugar que chamam Alcobaça e dele vos fazemos testamento e couto… pelos limites abaixo declarados… e passa por Mélvoa até à Mata de Pataias, donde corta direito por entre Pederneira e Moel, até chegar ao mar."

Economia

Pataias sempre teve uma tradição industrial, perde-se na memória dos tempos a sua mais antiga actividade, a dos fornos de cal, nesta data já inactivos. Indústria do vidro e subsidiária, como era o caso das empalhações que também existiram. Cimentos, moldes para plásticos, serralharia civil, mobiliário em todos os estilos, metalurgia, transportes rodoviários, material áudio, cerâmica, pecuária, estufas agrícolas, soldas, produtos alimentares, são indústrias que fazem parte do quotidiano da freguesia. O comércio é também é muito diversificado e importante, podendo mesmo dizer-se que há um pouco de tudo, sendo ainda de considerar a agricultura.

Mercado

Ao Domingo é grande a agitação em redor do espaço reservado ao mercado. Marcando presença semanalmente, este é sem dúvida um dos mais concorridos mercados da zona, quer pela sua grande extensão e produtos existentes, quer pelo facto de se realizar a um dia acessível a grande parte da população dos arredores. Nas bancas, montadas logo bem cedinho, podem ser encontrados todos os tipos de produtos, desde peças de roupa, calçado, ferramentas, decoração, géneros alimentares, ourivesaria, mercenaria, animais, louça, etc, etc, etc.

Festas e romarias

De tempos a tempos as festas acontecem por estas paragens. Mas o maior acontecimento deste género acaba por ser a festa da Nossa Senhora da Vitória. No dia 15 de Agosto de todos os anos, o pessoal mais animado enfeita os seus tractores, carroças e burros, bicicletes e outros meios de transporte. Alguns cavaleiros emproados fazem o papel de juízes que junto da igreja, depois de uma pequena ovação, conduzem todo este grande círio até à praia de Paredes da Vitória (mais conhecida por Paredes) que dista mais ou menos 7 km de Pataias. A viagem é geralmente animada, com todos as confusões características destas andanças. Aí chegados é executada uma pequena missa campal, a que se segue um regado almoço pelo pinhal dos arredores. A praia ali à mão é um bom pretexto para dar um mergulhito. Pelo fim da tarde acontece o regresso, nem sempre muito direito, do pessoal a Pataias para a continuação dos festejos pela noite dentro com a realização de um grande arraial.

Património

Património natural

Lagoa de Pataias

É uma zona húmida que surge no meio da vasta área de pinhal bravo que ocupa esta região do litoral Português e, portanto, é ocupada por Fauna e Flora distintas de toda a envolvente. Face a usos indevidos no passado, a água encontra-se poluída por nutrientes que promovem o crescimento excessivo de matéria vegetal com consequente falta de oxigénio na água (Eutrofização). A Eutroficação é típica das zonas húmidas interiores e, normalmente, conduz à sua mutação para ecossistemas terrestres. Neste caso concreto, o processo foi acelerado pela acção antrópica.

A dependência exclusiva da precipitação, juntamente com a situação de seca extrema em 2005, culminaram na evaporação de toda a água, uma situação que não sucedia desde 1944. Para além do desaparecimento da ictiofauna, a falta de água criou pressões enormes em outros grupos como os anfíbios, mamíferos e aves, em termos de alterações do habitat, indisponibilidade de água e/ou de alimento. Os nutrientes presentes na água acumularam-se nos sedimentos do fundo: estes, juntamente com grandes extensões de macrófitas aquáticas, foram removidos mecanicamente de forma a evitar que, após outra época de chuvas, a qualidade da água voltasse a piorar.

Após um Inverno chuvoso, a cota da lagoa recuperou ao ponto de poderem equacionar-se os repovoamentos com ruivacos: estes peixes, outrora muito comuns na lagoa de Pataias, foram dizimados por espécies indesejáveis introduzidas (carpa, perca e gambúsia). O plano de gestão da lagoa de Pataias vê assim mais uma etapa cumprida, mas, no contexto de alterações climáticas globais, este ecossistema requererá cuidados continuados no futuro. A gestão desta lagoa remete-nos para os elevados custos de remediação dos serviços dos ecossistemas. É por isso sempre melhor evitar a degradação da Natureza e, neste sentido, desde 2003 que o Projecto de Educação Ambiental do Município dá especial relevância a esta zona única no concelho.

Praias

Além das praias, que são de um interesse inegável e de uma beleza extraordinária, uma outra atracção existe para passar uma bela tarde de lazer, de acordo com as normas da natureza.

  • Praia da Falca
  • Praia da Légua
  • Praia de Vale Furado
  • Praia de Paredes da Vitória
  • Praia da Polvoeira
  • Praia da Pedra do Ouro
  • Praia de Água de Medeiros

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, we couldn't find any images attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Pataias","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.