Pontével

Pontével
Cartaxo



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"pontevel","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Pontével é uma freguesia portuguesa do concelho do Cartaxo, com 29,39 km² de área e 4.399 habitantes (2001). Densidade: 149,7 hab/km².

História

De fundação muito antiga, anterior à da nacionalidade, começa a constar na documentação régia logo a partir de Dom Afonso Henriques, mas, sobretudo, de Dom Sancho I, que lhe concede o primeiro foral (1194), mais tarde confirmado por Dom Afonso II. Nos tempos da Reconquista era vital assegurar o povoamento de zonas limítrofes de posições importantes, como era o caso de Pontével relativamente a Santarém. Daí que o Rei fizesse doação destas terras quer aos Francos de Vila Verde, quer à Ordem Militar de São João do Hospital, que então se estabelecia em Santarém. A importância da Comenda de Pontével, integrava Ereira e Lapa, está patenteada pela posição que ocupava, relativamente à sua congénere scalabitana, com a qual chegava a rivalizar em termos de supremacia hierárquica.

Apesar da vetusta idade, Pontével não conserva muitos vestígios do passado e encerra alguns mistérios que urge decifrar. A chamada Ponte Romana ou Medieval é um desses mistérios, pois apenas se pode constatar que se trata de uma obra rudimentar bastante arcaica. No século XIV, o fidalgo Bartolomeu Joanes (cuja sepultura podemos ainda hoje apreciar à entrada da Sé de Lisboa) deixou uma disposição testamentária com vista à construção de uma ponte sobre o rio de Pontével.

A Igreja de Nossa Senhora da Purificação (Matriz de Pontével) assenta sobre o primitivo templo cristão ali erguido provavelmente logo a partir do século XII, mas foi completamente reconstruída no século XVII, sofrendo a partir daí algumas obras de restauro. No seu interior podem-se apreciar alguns elementos importantes datados entre os séculos XVI e XVIII, como a pia baptismal, os painéis pintados do Mestre da Romeira, um fresco da Padroeira no tecto da capela-mor, azulejaria, talha dourada e muitos outros motivos. São ainda de realçar os túmulos dos Comendadores do século XVII, entre os quais se destaca o de António Botto Pimentel.

O brilho de Pontével parece ter-se apagado com a extinção das ordens religiosas, de tal modo que, entre os finais do século XIX e o início do século XX, alguns ilustres visitantes se indignam com o estado de ruína da velha urbe. Por essa razão talvez, podemos assistir, a partir de então, a algum renascimento urbanístico, embora modesto. Exemplos de obras desse período são a reconstrução da Capela de Nossa Senhora do Desterro (antiga Ermida do Espírito Santo, bem como os arranjos do Rio da Fonte (o fontanário, a ponte, e a consolidação da margem esquerda do rio). Já na década de 30, noutra zona da grande beleza natural e entrada da vila, foi construída uma fonte que ostenta a forma de uma concha, à qual o povo rapidamente chamou "A Saramaga".

Poucos anos depois, em homenagem ao espírito filarmónico que também caracteriza a sociedade pontelevense, ergueu-se, no antigo Largo dos Três Fidalgos, um típico Coreto, que rebaptizou o local. Ofuscando o seu verdadeiro nome: Largo Mariano de Carvalho.

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Pont\u00e9vel","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.