Porto de Mós

Porto de Mós
Sub-região Pinhal Litoral



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"porto-de-mos","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}

Foto de Vítor Oliveira

Lista de Municípios Portugueses

anuncio100x60.png


Porto de Mós é uma vila portuguesa pertencente ao distrito de Leiria, região Centro e sub-região Pinhal Litoral, com cerca de 6.200 habitantes.

É sede de um município com 264,88 km² de área e 26.842 habitantes (2006), subdividido em 13 freguesias. A vila recebeu foral de Dom Dinis em 1305.

Freguesias

Caracterização

Geográfica

Em pleno Maciço Calcário Estremenho, Porto de Mós situa-se junto de um dos principais eixos viários do país (IC2), e entre as suas duas cidades mais proeminentes (Lisboa e Porto), o que torna estratégica a sua situação no que se refere, por exemplo, à localização industrial. Para além da posição intermédia que apresenta em relação às duas grandes metrópoles, é também de destacar a sua proximidade à capital de distrito (Leiria), a cidades como Coimbra ou Santarém e ainda à costa ocidental.

O concelho encontra-se inserido na sub-região Pinhal Litoral (NUT III), da Região Centro. O município é limitado a norte pelos municípios de Leiria e da Batalha, a leste por Alcanena, a sul por Santarém e Rio Maior e a oeste por Alcobaça. Porto de Mós pertence ainda à AMAE (Associação de Municípios da Alta Estremadura) e à AMLEI (Área Metropolitana de Leiria), juntamente com os concelhos de Alvaiázere, Ansião, Batalha, Leiria, Marinha Grande, Ourém e Pombal.

Demográfica

Com uma superfície de 265 km2 (cerca de 15 % do total da superfície da NUT III – Pinhal Litoral) e 24.271 habitantes, o concelho de Porto de Mós insere-se numa sub-região densamente povoada, onde a evolução demográfica tem sido marcada, desde 1940, pelo progressivo crescimento demográfico, o qual se tem reflectido no mesmo sentido, na densidade populacional, situando-se actualmente nos 92 hab./km2. Este valor confere-lhe um índice de ocupação inferior à média da sub-região em que se insere, que era, em Março de 2001, de 144 hab./km2.

No que se refere à estrutura etária, e apesar de Porto de Mós ter ainda uma importante percentagem de jovens (muito próxima da registada pela sub-região Pinhal Litoral), o concelho não é alheio ao processo de envelhecimento da população que caracteriza a área em que se insere e, de um modo geral, todo o país. Verifica-se, pois, que desde os anos 80, a população mais idosa está a aumentar e a população jovem a registar um decréscimo significativo.

História

O nome e a história de Porto de Mós (Portus de Molis), nasceu há mais de 2.000 anos ao tempo em que o rio Lena era navegável e as jangadas romanas aqui embarcavam as pedras de mós, talhadas na Pedreira do Figueiredo e, mais tarde, o ferro das minas de Alqueidão da Serra. Mas os segredos do passado de Porto de Mós remontam ao tempo em que o mar cobria estas terras e se iniciaram os enrugamentos terrestres do Jurássico. As ossadas de dinossauros e a tartaruga petrificada são alguns dos tesouros que este concelho guarda há mais de 150 milhões de anos e que agora expõe no seu notável Museu Municipal, onde se descreve toda a pré-história desta região, nos machados e nas pontas de pedra lascada do Paleolítico, nas pedras polidas do Neolítico, nas cerâmicas e objectos de cobre do Calcolítico, ou nos pesos de tear, nas pedras de espremer o mel, nas moedas e nas lanças de ferro do Império Romano.

Subindo na História, pela bela calçada romana de Alqueidão da Serra e percorrendo as encostas de calcário, de moinhos e de aldeias de pedra das serras dos Candeeiros, de Santo António e de Aire, separadas por bucólicas depressões e majestosos anfiteatros naturais, descobre-se, desde o Alto dos Moinhos Velhos, o panorama frutícola do Vale do Lena e da vila de Porto de Mós abraçada ao morro dolomítico do castelo, conquistado por D. Afonso Henriques aos mouros em 1148 e que teve no lendário D. Fuas Roupinho o seu primeiro alcaide.

A planta quadrangular do castelo define quatro torreões aos quais D. Afonso - Conde de Ourém deu em 1450 as feições palacianas que o tornaram num dos mais belos castelos de Portugal.

Património

Heráldica

Brasão

De vermelho, com um castelo de prata, realçado de negro aberto do campo. As torres laterais são rematadas cada uma por uma árvore de verde troncada de negro. O castelo é acompanhado em chefe por duas estrelas de prata e oito raios. Em contrachefe duas mós de prata abertas do campo, sustento dois guarda-rios, também de prata, realçados de negro. No pé do escudo tem três parras de oiro, coroa mural de prata de quatro torres. No listel branco com os dizeres a negro “Vila de Porto de Mós”.

Bandeira

Esquartelada de branco e vermelho; cordões e borlas de prata e de vermelho; haste e lança douradas.

Selo

O selo, circular, tendo ao centro as peças das armas, sem indicação dos esmaltes. Em volta, dentro de circular concêntrica, os dizeres “Câmara Municipal de Porto de Mós”.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Porto de M\u00f3s","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.