Santos-o-Velho

Santos-o-Velho
Lisboa



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"santos-o-velho","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Santos-o-Velho é uma freguesia portuguesa do concelho de Lisboa, com 0,51 km² de área e 4.013 habitantes (2001). Densidade: 7 899,6 hab/km².

História

Junto ao templo dos santos mártires Veríssimo, Máxima e Júlia, onde existia o Convento das Comendadeiras, transformado por D. Manuel I, em 1501, em Paço Real, a Norte do troço conhecido como Rua da Esperança, que integrava o eixo viário das Portas de Santa Catarina a Belém, nascia, no século XVI o bairro do Mocambo, mais tarde Madragoa.

As ressonâncias africanas do termo têm levado a associá-lo à existência de negros que, a par de pescadores, marinheiros e artesãos, constituiriam a população do bairro. A designação Madragoa, que remonta apenas ao século XIX, provém da antiga Rua da Madragoa, assim nomeada desde 1579, actual Vicente Borga. O topónimo será corruptela de Mandragão, apelido de uma família nobre madeirense que aí terá habitado e cuja generosa mulher era conhecida por Mandragona.

A presença da corte naquele aprazível lugar junto ao rio vai propiciar a construção de casas senhoriais e de conventos, entre cujas cercas, limitadas por caminhos e estradas (actuais ruas da Esperança, das Trinas e do Quelhas), viria a surgir o núcleo primevo do Mocambo. A urbanização iniciada ainda na primeira metade de Quinhentos consolida-se na centúria seguinte. Muitas das ruas hoje existentes já aparecem referenciadas no século XVI. A provar o crescente aumento populacional, a paróquia de Santos é elevada a freguesia em 1566.

A malha urbana, em quadrícula de pequenos quarteirões tendencialmente regulares, apresenta as ruas principais paralelas ao rio e não perpendiculares, como é habitual em Lisboa, alinhamento que tem a ver com o Paço Real e o contíguo Palácio dos Duques de Aveiro, cujas extensas cercas formavam uma barreira ininterrupta a Sul da Rua da Esperança.

O terramoto de 1755 pouco afectou o bairro. Não se registando vítimas, assinala-se a ruína parcial de alguns edifícios e a derrocada do Palácio dos Duques de Aveiro e do Convento das Bernardas.

No tecido consolidado foi rasgada a Rua Nova dos Condes, actual Calçada Marquês de Abrantes, devido à incapacidade de escoamento do intenso tráfego que se fazia sentir na Rua Direita da Esperança, única saída da cidade para Ocidente.

O loteamento dos terrenos envolventes a Norte e Nordeste, pertencentes ao Convento das Trinas do Mocambo, permitiu a expansão do bairro e a continuidade do traçado ortogonal das ruas, agora em quarteirões de maiores dimensões dentro do espírito pombalino. Enquanto os novos quarteirões eram ocupados por uma burguesia endinheirada que abandonava o centro da cidade, ao núcleo antigo afluíam novas camadas populares, principalmente pescadores que do Minho ao Algarve procuravam na capital melhores condições de vida.

Na Madragoa concentrou-se uma importante comunidade proveniente da região de Ovar, que ao longo de Oitocentos acabou por imprimir características específicas ao bairro. Enquanto os homens se dedicavam à pesca, as mulheres - conhecidas por ovarinas ou varinas - vendiam peixe pelas ruas da cidade ou trabalhavam nas descargas de carvão e de areia, marcando todo um imaginário lisboeta com a sua figura e pregões.

A varina, o fado e a comemoração dos Santos Populares continuam inegavelmente ligados à cultura do bairro.

No entanto, o aspecto que melhor define Santos-o-Velho na actualidade é a heterogeneidade das suas vivências, onde a cultura tradicional se concilia com a actividade dos restantes agentes sociais, económicos e culturais (museus, teatro, dança, não esquecendo o design), assim como a sua variada oferta ao nível da restauração e da diversão nocturna.

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Santos-o-Velho","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.