Ucanha

Ucanha
Tarouca



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"ucanha","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Ucanha é uma freguesia portuguesa do concelho de Tarouca, com 5,28 km² de área e 423 habitantes (2001). Densidade: 80,1 hab/km².

Toponímia

O topónimo Ucanha deriva de Cucanha, forma usada até ao século XVII, tratando-se de um vocábulo que pode designar casebre ou lugar de diversão.

História

Foi vila e sede de concelho até 1836, quando foi suprimido e anexado ao concelho de Mondim da Beira. O município era constituído pelas freguesias de Granja Nova, Salzedas, Ucanha e Vila Chã de Cangueiros e ocupava a zona nordeste do actual concelho de Tarouca. Tinha, em 1801, 2.217 habitantes. A freguesia foi integrada no actual município em 1898.

Património

Geografia e arquitectura

A povoação desenvolve-se entre os 450 e 550 metros de altitude, implantada ao longo da encosta que desce em direcção ao Rio Varosa (ou Barosa). A zona do vale, enquadrada pelas colinas arborizadas da Serra de Santa Helena, apresenta significativo interesse paisagístico. O curso de água é bordeado por salgueiros, amieiros e algumas azenhas. Entre a ponte de Ucanha e a ponte nova observa-se uma ínsua, usada como praia fluvial. O vale, bastante aberto, proporciona o aproveitamento de lameiros e campos de milho, bem como vinhas e olivais, estes últimos ocupando um patamar superior. O conjunto construído atinge a margem oposta, pertencente já à freguesia de Gouviães. Nos limites do aglomerado, e em especial ao longo das estradas transversais à via principal, regista-se o impacto de construções dispersas dissonantes. Situada a cerca de 5 km de Tarouca, Ucanha marca a entrada do antigo couto do Mosteiro de Salzedas. Ainda no limite da freguesia conserva-se as ruínas da Abadia Velha de Salzedas.

Sendo uma vila com uma formação urbana linear estruturada por uma única via, cujo elemento matricial é constituído pela ponte fortificada. Denominada Rua Principal, Rua Direita ou simplesmente Rua, por se tratar da única, apresenta uma orientação este/oeste, perpendicular ao rio e às curvas de nível, desenvolvendo-se numa extensão aproximada de 500 metros. A sua largura oscila entre os 4 e os 10 metros, consoante as numerosas inflexões produzidas pela difícil adaptação à base topográfica, impondo um acentuado declive que atinge cerca de 75 metros de desnível. Seccionada transversalmente por duas estradas municipais, é composta por três troços, cuja sequência poderá ter um sentido cronológico. A designação de cada um deles revela a sua situação topográfica e o elemento construtivo de referência. O primeiro troço é nomeado Fundo da Rua ou Rua da Torre, tendo como ponto de partida a ponte e respectiva torre, junto da qual se esboça um largo, onde se ergueu o hospital ou albergaria. A via principal bifurca na direcção da Igreja Matriz, que se encontra resguardada pelo adro murado e pelo cemitério, destacando-se com a torre sineira na silhueta urbana. O segundo troço, a que se poderia chamar Meio da Rua, equivale à Rua do Pelourinho ou Rua da Senhora da Ajuda. Trata-se de uma zona onde o espaço construído é mais denso, surgindo duas incipientes paralelas e respectivas travessas, polarizadas em função do duplo alargamento da rua produzindo o Largo do Pelourinho e o Largo da Senhora da Ajuda. O primeiro, resultado do alargamento da via no lado norte, mostra o pelourinho quase ao centro, junto à Casa da Câmara e Cadeia, que define o gaveto. Na sua imediata contiguidade abre-se o Largo da Ajuda, formado pelo alargamento da via para o lado oposto. O seu espaço é ocupado pelo volume isolado da capela, cuja fachada abre para a rua em plano diagonal. O terceiro troço, o Cima da Rua ou Rua de Santo António, revela uma massa construída mais rarefeita, sendo o fim da rua e da vila marcado pela Capela de Santo António, de diminutas dimensões. No conjunto da povoação observa-se que a rua é interrompida por travessas, aberturas redutíveis a pequenos becos e quelhas de acesso aos campos de cultivo. Os muros divisórios das propriedades, assim como os canais de granito dos sistemas de rega, prologam visualmente essas linhas e compartimentam o espaço envolvente. Os muros em alvenaria de granito garantem ainda a contenção do alinhamento viário, que o espaço construído não confirma, denunciando antes a impossibilidade de uma clara definição de quarteirões. A casa uni familiar, tendo como tipo de base a casa rural beirã, caracteriza de modo genérico o espaço edificado. Apresentando quase sempre dois pisos, confirma-se a reserva do piso térreo para as lojas, reflectindo um uso agrícola dissimulado na função residencial, enquanto o segundo piso, onde se localiza a cozinha, se destina à habitação. Identificam-se casas com escada externa e, mais correntemente, casas com escada interna. Destacam-se em especial as varandas em madeira reflectindo algumas especificidades construtivas, formais e cromáticas (uso do vermelho, azul e verde) que contribuem para matizar a sobriedade dos alçados. A composição é mais ou menos regular, recorrendo por regra à abertura de portas no piso térreo e janelas ou varandas no andar superior. Os vãos, de lintel recto, não têm moldura, que aparece apenas nas casas mais abastadas, como na única casa brasonada (Rua da Torre). Salienta-se um número significativo de vãos biselados e mais pontualmente molduras em meia-cana e em arco conopial. No remate da frontaria regista-se o recurso frequente aos frechais ritmados por contrafeitos, simulando uma cornija. Constituem detalhes construtivos que enriquecem a imagem do espaço construído, tal como a presença pontual de trapeiras e chaminés tronco-piramidais.

Edificado

  • Torre de Ucanha
  • Ruínas românicas de Salzedas no local de Abadia Velha
  • Igreja Paroquial de Ucanha e património integrado

Personalidades

Na Ucanha nasceu o célebre filólogo e etnólogo José Leite de Vasconcelos (1858-1941).

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Ucanha","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Artigos relacionados

Artigos com a mesma raiz:

Artigos subordinados a este (caso existam):

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.