Vilar de Mouros

Vilar de Mouros
Caminha



{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"small","userName":"Portuguese_eyes","tags":"vilar-de-mouros","order":"interestingness-desc","perPage":"1","limitPages":"1"}}
anuncio100x60.png


Vilar de Mouros é uma freguesia portuguesa do concelho de Caminha, com 9,00 km² de área e 819 habitantes (2001). Densidade: 91,0 hab/km².

A freguesia de Vilar de Mouros, delimitada pelos montes de Góios, Pena, Gávea e Crasto, corresponde ao braço norte do cotovelo com que termina a bacia do Rio Coura. Situada na convergência geológica dum granito hercínico de grão médio com xisto silúrico luzente com cristais de andaluzite e percorrido por filões aplitopegmatíticos, foi a estas condições geográficas e geológicas que em grande parte ficou a dever a seu destino histórico.

Esta freguesia tornou-se famosa em 1971 por ser o local de realização do Festival de Vilar de Mouros que decorre todos os anos no Verão, actualmente com artistas de gabarito internacional, chamando muitos visitantes à freguesia.

História

Povoada desde remotos tempos, aqui se encontraram vestígios pelo menos desde a Época do Bronze. Mas foram os Romanos que lhe conferiram personalidade própria. Depois de terem romanizado o Castro de Vilar de Mouros, donde divergiu o povoamento para as bacias do Minho e do Coura, estabeleceram-se nas zonas baixas desta localidade. Deles nos ficou, além de cerâmica exumada no castro, o testemunho dos topónimos “Crasto (povoado fortificado)”, “Agrelo (pequena zona de campo)” e “Chelo (pequeno plaino)”. Aqui teriam sido exploradas as riquezas mineiras em estanho e ouro fornecidas pelo subsolo. Mas pré-romanos, a atestar um povoamento que os Romanos apenas aculturaram, são os topónimos “Barze (várzea)” e “Ranha (declive)”.

Os povos que foram objecto desta romanização foram os Seurbi, subordinados à “ciuitas Tude”, em cujo território se formaram, nos tempos suevos, vários “paroeciae”, entre os quais o simples “pagus” de Cártase (já na actual freguesia de Mentrestido). A ocupação romana seria, apesar de tudo, tão fruste quanto o foi a cristianização, em função do medo do mar, povoado de monstros e sorvedouro de homens, que do reino de Neptuno se engolfavam directamente no de Plutão.

Mas as condições excepcionais do lugar, abrigado e diversificadamente rico, aqui fixaram, a partir do século VIII, um núcleo de Mouros, que constituíram mesmo uma aldeia (“vilar”). Quando, no século IX, Paio Bermudes procedeu à Reconquista da região entre Minho e Lima, conquistou este vilar, incorporou parte dele nos seus bens como terra de inimigos e santificou o lugar com a erecção duma igreja em honra da mártir hispânica Santa Eulália, juntamente com outras que a documentação menciona e que se supõe possam ter sido as de S. Sebastião e de Nossa Senhora do Crasto, onde me pareceu ter visto um silhar almofadado.

Entretanto, as incursões normandas (que chegaram a saquear Tui) mais uma vez fizeram refluir a população para o interior, vindo Vilar de Mouros a beneficiar da conjugação da sua (relativa) interioridade com o afluxo das marés: aqui se instalaram salinas (no lugar hoje denominado das Marinhas), que abasteceram a população local e das imediações. Foi com estas convulsões que Vilar de Mouros tergiversou da herança de Paio Bermudes, mas foi com elas também que enriqueceu, vindo à posse do rei, como terra auto-suficiente com minas, monte, souto, vinho, pão, gado e sal, na economia autárcita que na Idade Média dominou. Foi nestas condições que Vilar de Mouros, já com os limites actuais, constituiu um couto de per si, que o rei Garcia doou em 1071 ao bispo de Tui e em cuja posse se manteve até ao fim da Idade Média.

Foi então que Vilar de Mouros parece ter sido desafectada da mitra tudense e gerida por senhores laicos, ao ponto de, nos finais do século XVI, aparecer como mera capela, não constando sequer do censual de D. Diogo de Sousa, e aparecendo arrendada no de D. Frei Baltasar Limpo. Nestas circunstâncias , os senhores laicos, para valorizar a terra, construíram a ponte, gótica, à imitação das de Ponte de Lima e Ponte da Barca. Mas também foi D. Frei Baltasar Limpo que fez restaurar a igreja paroquial. No século XVII, definidas as esferas de acção, a igreja é ampliada em 1678, já depois de constituído o morgadio da Barze na pessoa de Miguel Andrade da Gama em 1621, que se alargou aos Amorins galegos, quando para aqui casou D. António Maurício de Sousa Amorim, que construiu a actual casa, que ostenta os seu brasão.

A emigração para o Brasil trouxe novas fontes de rendimento, que deixaram marcas na remodelação da igreja paroquial, que recebeu nova talha e uma fachada rococó. Este período senhorial e de intensa devoção barroca, ficou assinalado na freguesia com novas capelas, de que se destaca a Igreja Nova (do Senhor dos Passos / barroca), a de Nossa Senhora da Lapa (rococó, na Quinta Ranhada), e a do Encontro, numa “via sacra” a que não faltam os nichos dos “passos” nem o púlpito de pedra para o sermão.

Em 1855, ao encerrar a Fábrica de Viana, alguns dos seus operários vieram para Vilar de Mouros, onde fundaram uma fábrica no lugar de Além da Ponte, a trabalhar para o mercado galego que absorvera a produção da Fábrica do Ruas de Caminha, extinta por um incêndio no ano anterior. Como ela, usava barros provenientes da Figueira da Foz e locais de Vilar de Mouros. A areia para o vidro era moída nos moinhos do Viso, propriedade da Quinta da Barze. No nosso século, a riqueza mineira de Vilar de Mouros entrou na corrida ao volfrâmio e hoje fornece xisto para a alvenaria e granito para cunhais e aros de portas e janelas, com que se estão construindo algumas das mais belas vivendas rurais do nosso tempo e da nossa região.

Economia

Agricultura, pecuária, pequeno comércio e pequena indústria.

Festas e Romarias

  • Senhora da Peneda
  • Senhor dos Passos

Património

Ponte Medieval, Igreja Paroquial, Igreja Nova (Senhor dos Passos), Capela da Senhora do Crasto, Cruzeiro, Ninchos e Alminhas, praia fluvial no rio Coura, Azenhas de Vilar de Mouros, Largo do Casal e Monte do Crasto.

Artesanato

Arte em ferro

Gastronomia

Pão de milho e enchidos de porco.

Colectividades

  • Centro de Instrução e Recreio Vilarmourense
  • Clube de Caçadores Vilarmourense
  • Grupo de Motares Vilarmourenses

Bibliografia

  • Alberto A. Abreu - Historiador Regional

Ligações externas

Fotografias

Galeria dos nossos visitantes
As fotografias desta secção, em todos os artigos, são colocadas pelos nossos leitores. Os créditos poderão ser observados por clicar no rodapé em files e depois em info. As imagens poderão possuir direitos reservados. Mais informações aqui.

Sorry, no images found attached to this page.

Galeria Portuguese Eyes
As fotografias apresentadas abaixo são da autoria de Vítor Oliveira.

{"module":"wiki\/image\/FlickrGalleryModule","params":{"size":"thumbnail","userName":"Portuguese_eyes","tags":"Vilar de Mouros","order":"dateAddedDesc"}}

Mapa

Adicione abaixo os seus comentários a este artigo

Comentários

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under GNU Free Documentation License.